Schiaparelli aposta em silhuetas justas sem abrir mão do surrealismo
Foto: Getty Images

Nesta segunda-feira, a Schiaparelli deu início à semana de alta-costura com um desfile que não deixou decepcionado os fãs do surrealismo elegante da marca.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Depois de conquistar as fashionistas mais hypadas do red carpet – de Lady Gaga na posse do presidente Biden a Bella Hadid e o pulmão dourado que conquistou Cannes -, Daniel Roseberry se dá um novo desafio ao deixar para trás as coleções coloridas e volumosas. Por isso, o verão 2022 aparece mais sóbrio, mas não menos inusitado. Preto, branco e dourado – numa intensidade brilhante e amarela – dominam a passarela, que recebe silhuetas mais justas e adaptadas.

A forma acinturada só perde destaque para os decotes, vezes vantajosos, outras geométricos. Golas, aplicações em barras de vestidos e enormes chapéus ficam responsáveis por acrescentar volume à coleção. O toque de Schiaparelli que sempre é esperado das coleções fica mais óbvio nas aplicações que remetem a órbitas de planetas, uma bolsa dourada com o formato de uma cabeça e os delicados arabescos dourados. Isso, sim, é começar com o pé direito!

Veja abaixo dez coisas que amamos da coleção:

As golas

Schiaparelli aposta em silhuetas justas sem abrir mão do surrealismo
Fotos: Getty Images e Reprodução/WWD

As golas são as responsáveis por levar volume e formas inusitadas para a passarela.

A silhueta

Schiaparelli aposta em silhuetas justas sem abrir mão do surrealismo
Fotos: Getty Images e Reprodução/WWD

Nesta temporada, a Schiaparelli optou por uma silhueta mais justa e acinturada, indo na contramão dos looks volumosos que apresentou nas últimas semanas de moda.

O cônico

Schiaparelli aposta em silhuetas justas sem abrir mão do surrealismo
Fotos: Getty Images e Reprodução/WWD

Peças ganham formas cônicas na região, visual que foi eternizado por Madonna.

As bolsas

Schiaparelli aposta em silhuetas justas sem abrir mão do surrealismo
Fotos: Getty Images e Reprodução/WWD

Com formatos inusitados, como um rosto e um planeta, as bolsas douradas reafirmam as características surrealistas da marca.

As órbitas

Schiaparelli aposta em silhuetas justas sem abrir mão do surrealismo
Fotos: Getty Images e Reprodução/WWD

Acabamentos e aplicações arredondados acrescentam órbitas aos vestidos, reforçando os ares de ficção científica da coleção.

Os decotes

Schiaparelli aposta em silhuetas justas sem abrir mão do surrealismo
Fotos: Getty Images e Reprodução/WWD

Profundos e ousados, os decotes são aposta da coleção – e ficam mais modernos com os formatos pontiagudos que ganham como acabamento.

O movimento

Schiaparelli aposta em silhuetas justas sem abrir mão do surrealismo
Fotos: Getty Images e Reprodução/WWD

Barras e outros detalhes criados com faixas – às vezes de tecido, outras metalizadas – criam um lindo movimento.

Os círculos

Schiaparelli aposta em silhuetas justas sem abrir mão do surrealismo
Fotos: Getty Images e Reprodução/WWD

As formas circulares são acrescentadas nas peças de diferentes formas, incluindo em imensos acessórios de cabeça.

O top

Schiaparelli aposta em silhuetas justas sem abrir mão do surrealismo
Foto: Getty Images

Com um delicado arabesco dourado formando a região dos seios, o top foi um dos principais destaques do desfile e já é possível imaginar uma gama de fashionistas o usando em eventos e tapetes vermelhos.

Os macaquinhos

Schiaparelli aposta em silhuetas justas sem abrir mão do surrealismo
Fotos: Getty Images e Reprodução/WWD

Reforçando o desejo da marca de dar destaque à alfaiataria, os macaquinhos são must-have da coleção.