Desfile de verão 2019 de Esteban Cortazar em Paris - Foto: Getty Images
Desfile de verão 2019 de Esteban Cortazar em Paris – Foto: Getty Images

Por Duda Maia

A Riviera Maia, no México, foi palco do primeiro Latin America Fashion Summit, evento que reuniu cerca de 300 pessoas em torno de conhecimento e networking visando o empoderamento de designers do continente. Um encontro de moda que incluiu painéis, workshops e sessões de auto-conhecimento com figuras influentes do setor, para fornecer conteúdo e ferramentas que ajudam designers e empreendedores emergentes e estabelecidos a desenvolver sua marca com força e impacto social.

Criado por Estefania Lacayo e Samantha Tams, o evento reuniu nomes estabelecidos da indústria e designers emergentes. “Acreditamos na importância de unir todas as regiões da América Latina em uma única plataforma e empoderarmos uns aos outros. Cada região pode ter uma boa plataforma, mas, se encontrarmos maneiras de nos unir, de colaborar, de aprender uns com os outros, o barulho no cenário internacional é maior”, diz Estefania.

Além proporcionar um aprendizado horizontal, a iniciativa ainda ofereceu aos designers presentes a possibilidade de uma apresentação para uma banca de jurados, que escolheu, entre os 80 designers inscritos, um projeto para apoio com diversos prêmios, como US$ 10 mil para reinvestir em sua criação e participar de um programa para acelerar negócios no Instituto Marangoni. A vencedora foi a designer colombiana Kika Vargas.

Estavam presentes nomes de peso como Esteban Cortazar; Daniela Villegas; Monica Sordo; Paula Mendoza; a supermodel Eugenia Silva; Daniel Funis, gerente Fartfetch para a América Latina; Hakan Baykam, presidente da Marangoni Institute of Miami; Mario Rodriguez Graniel, diretor de gerenciamento de relacionamento com o cliente para Prada e Miu Miu; Carrie Sommers, criadora do Fashion Revolution; e Lisa Smilor, vice-presidente executivo do CFDA, entre outros. Os presentes discutiram temas como o futuro do varejo, impacto social e sustentabilidade e social media, entro outros temas, sob um olhar de desenhar e orientar os designers presentes para desenharem um caminho de sucesso.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Esteban Cortarzar, designer colombiano que ganhou o mundo se tornando designer da Ungaro aos 23 anos, teve um dos painéis mais comentados. Sua trajetória de sucesso inspira toda uma legião de novos designers. Para Esteban, o mercado não precisa de mais um produto, mas, sim, de criatividade e originalidade, de novos olhares. O designer atribui seu sucesso a uma constância em sua criação: fidelidade ao seu DNA. “ Sempre segui minha paixão e me mantive fiel a isso em todas as minhas escolhas. Foi um longo caminho para saber aplicá-las da maneira correta e entender que estava no caminho certo. Disciplina, conhecimento e foco aprendidos em todo o caminho foram essenciais para fazer com que meu DNA sobressaísse”, conta Esteban.

Nomes como Fabrício Cardenas, com 10 anos de experiência no varejo, foi buyer da tradicional Bergdoff Goodman e acaba de ser anunciado como o mais novo responsável pelo time de compradores para marcas de luxo no Net-a-Porter; Sarah Easley, fundadora da badalada multimarcas Kirna Zabete, em Nova York; Cassie Smart diretora de compras do feminino do Matches Fashion endossaram o discurso de Cortazar sobre a importância da criatividade e autenticidade para novas marcas em busca de um destaque no cenário mundial.

O Brasil também teve sua representante no evento. Bruna Seve Patko, designer da marca Lokalwear, foi ao evento com intuito de entender um pouco mais sobre a transição do mercado latino-americano para o internacional. “A diversidade e criatividade da América latina ficou muito em evidência. O cuidado na seleção dos convidados e participantes, uma combinação entre criativos, mídia e pessoas do business da moda, trouxeram um ambiente super propicio que gerou muita troca de experiência e networking, pontos muito necessários para o crescimento de um negócio”, contou.

Os planos para o próximo LAFS já estão a todo o vapor. Para Samantha e Estefania, a iniciativa deve se tornar em breve uma instituição de fomento de negócios para marcas latino-americanas e acrescentam “queremos levar o evento ao Brasil, e trazer mais nomes desse país tão representativo no continente para trocar experiências no LAFS”, diz Estefania.