Stella McCartney verão 2016 - Foto: Getty Images
Stella McCartney verão 2016 – Foto: Getty Images

Por Luigi Torre

É um acaso muito bem-vindo o fato do desfile de  Stella McCartney acontecer no dia seguinte ao da Céline. Assim como Phoebe Philo, McCartney faz parte do grupo de estilitas mulheres criando para mulheres reais, não ideais. E também como Philo, Stella percebeu, já há algumas temporadas, a necessidade de ampliar o escopo de suas coleções, principalmente na passarela. Para o verão 2016, ela reforça a importância do tricô na estação, com pólos de proporções reduzidas sobre longas saias e vestidos do mesmo material; injeta frescor aos plissados-tendência com peças em A com barras assimétricas e cores vibrantes; repensa a alfaiataria sobre a visão fácil e confortável da temporada.

 Foi-se o tempo em que desfiles se desenvolviam em cima de um único tema. Agora não há mais tempo, nem dinheiro para isso. Os mercados são muitos, as demandas mais ainda e as necessidades e desejos das consumidoras se multiplicam em progressão geométrica. Pluralidade se tornou palavra-chave para a moda e, na passarela, isso vem se mostrando por meio de coleções que buscam atender a todos esses diversos pontos. Fato que muitas vezes resulta numa parada de ideias vagas e sem profundidade, mas, quando bem executada, como nessa mais recente coleção de Stella McCartney, encontra ressonância no modo como toda uma geração se relaciona com as roupas. Veja as fotos do desfile: