Mais uma polêmica envolvendo as irmãs Kate e Laura Mulleavy, da Rodarte.

A primeira foi em 2010, quando fizeram uma parceria com a MAC, mas logo tiveram a venda dos produtos cancelada por fazer alusão à cidade mexicana de Juárez, considerada a mais violenta do mundo, por conta do alto índice de estupros e assassinatos de mulheres.

Já a segunda aconteceu no Oscar 2011, quando a dupla de designers foi excluída da ficha técnica de Cisne Negro – para qual desenvolveram os principais looks -, dando destaque apenas para a figurinista Amy Westcott. Na época as irmãs Mulleavy divulgaram um vídeo falando sobre a injustiça.

Dessa vez, a polêmica se deu por causa das estampas usadas na coleção de inverno 2012/13, inspiradas na cultura aborígene australiana. Para muitos, elas não passaram de um bonito arranjo de linhas e desenhos de mãos; mas para Megan Davis – membro da United Nations Permanent Forum on Indigenous Issues (UNPFII) e dirigente do centro de leis indígenas da University of New South Wales – o uso da cultura aborígera foi insensível e ofensivo.

As irmãs, que usaram tribos ainda residentes no interior da Austrália, assumiram não ter nunca visitado o lugar. Porém deixaram claro em um anúncio oficial que através de meios legais, conseguiram licença para usar todas as artes e que os artistas receberão parte da verba arrecadada nas vendas das peças inspiradas em seu trabalho.

Ainda assim, Megan disse se sentir mal ao pensar na possibilidade de ver mulheres nas ruas usando peças com desenhos feitos há mais 60 mil anos por tribos australianas – lugar onde nasceu.

Constantemente, a moda se apropria de valores culturais de alguma região. Exemplo disso, é a onda de Navajo que surgiu há umas quatro estações atrás e que ganhou força com a coleção de inverno 2011 de Proenza Schouler, com calças estampadas com símbolos da localidade. Esse mesmo movimento, acabou fazendo com que a Urban Outfitters fosse processada pela Navajo Nation por vender t-shirts com a palavra Navajo silkadas nelas.

Provalmente, ainda vamos assistir a muitas polêmicas desse tipo, já que estamos vivendo um momento de crescente sensibilidade cultural. Logo, seria importante que os designers sempre retratassem a realidade de uma cultura com a colaboração dos que vivem ela e que no final essas pessoas sejam realmente recompensadas pelo trabalho que desenvolveram, fazendo com que a troca seja positiva para ambos os lados.

E você, o que acha dessa história toda? Comente!

Foto: Getty Images