Croqui de Verão 2013 de Vitorino Campos

Revelado para a moda em maio de 2008, o designer Vitorino Campos é a grande estreia da próxima edição do São Paulo Fashion Week.

Formado em Design de Moda pela Universidade de Salvador, Vitorino já apresentou suas coleções exclusivas no Rio Moda Hype, Dragão Fashion e agora entra para o line-up cobiçado da semana de moda de São Paulo, como um dos grandes talentos nacionais. Harper’s Bazaar bateu um papo com o designer sobre carreira e suas expectativas em relação a estreia.

Confira!

Bazaar – Como rolou o convite para o São Paulo Fashion week?
Vitorino Campos – Recebi o convite no fim de fevereiro, mas já queria participar de uma semana de moda que correspondesse com nosso timing de vendas há algum tempo. Eu amei participar do Dragão Fashion, mas o SPFW tem 2 edições que se adequam aos meus prazos de produção.

Bazaar – O que podemos esperar do desfile de estreia?
VC –
Trabalhamos com formas mais simples e com a “não tradução” como tema principal. Os vestidos vêm com comprimento na altura dos joelhos e a cartela de cores é enxuta, mas carrega todas as cores que as pessoas tiverem a capacidade de ver. Quero que cada um tenha sua própria visão da realidade que vou apresentar.

Bazaar – Quando está criando uma coleção, o que mais te inspira?
VC – Qualquer coisa pode virar uma coleção. O meu dia-a-dia me influencia, assim como o mundo da música, que dá a moldura do mundo. Recentemente comprei um CD das Lavadeiras do Jequitinhonha que me marcou muito. As letras são belíssimas e o nível de sofisticação é impressionante. Só com isso já é possível desenvolver uma coleção.

Bazaar – Então a música terá presença forte no desfile?
VC – Estou me dedicando muito a escolha da trilha sonora, inclusive conversei com uma pessoa recentemente que me apresentou uma trilha em que as músicas traziam cores. Gostei bastante.

Bazaar – Quais são suas expectativas em relação a entrada no SPFW?
VC – É muito importante para uma marca participar de uma semana de moda. É nos desfiles que conseguimos perceber como a roupa acontece e como ocorre a evolução da marca. Estou super feliz com o convite e não tem como não sentir certa adrenalina.

Bazaar – E os planos para o futuro?
VC – Atualmente temos 18 pontos de venda em multimarcas no país e talvez abra minha loja própria em São Paulo mais para frente.