Brinco em chifre esculpido, ouro e diamantes da coleção "Entremeios" - Foto: Divulgação
Brinco em chifre esculpido, ouro e diamantes da coleção “Entremeios” – Foto: Divulgação

No processo criativo de Vera Cortez, ossos de boi e búfalo substituem o marfim, enquanto os chifres dão o tom de ébano, em um precioso processo de transformação do lixo em luxo. Não é de hoje que métodos sustentáveis estão no radar da joalheira paulistana. Ao longo de dez anos de marca, ela amadureceu o olhar, treinou artesãos e está, cada vez mais, interessada em mapear todo o seu ciclo de produção, com foco inclusive no mercado internacional.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Pingente em cristal, ouro e diamantes - Foto: Divulgação
Pingente em cristal, ouro e diamantes – Foto: Divulgação

A primeira exportação acontece agora para a Broken English, joalheria californiana que já tem no portfólio os brasileiros Ara Vartanian e Silvia Furmanovich. “Vejo que o papel do designer está muito ligado à pesquisa de materiais”, diz Vera, que, recentemente, renovou a parceria com a artista plástica Mariana Porto para o lançamento da coleção “Entremeios”.

Inspiradas em imagens de terra seca e no desgaste trazido pelo tempo, elas chegaram às pencas, como ela chama as peças-conceito feitas com materiais recolhidos na natureza e que vem colecionando há algum tempo, como pedras de rio vindas da Índia e vulcânicas, da Islândia, além de sobras de madeira brasileira, conchas, linho e couro – que podem decorar o corpo ou a casa.

A designer Vera Cortez - Foto: Divulgação
A designer Vera Cortez – Foto: Divulgação

Há, ainda, outro grupo de joias para o dia a dia, como colares e brincos confeccionados com ossos e chifres entalhados, cristais, ouro e diamantes. “Queríamos compreender o meio ambiente e sua frágil beleza, de pensar como o nosso trabalho pode afetar os outros e como o que acontece com os outros pode nos afetar”, explica. Com parte das vendas destinada à ONG Nova União de Arte, que atende crianças e adolescentes em situação de alta vulnerabilidade na periferia de São Paulo, Entremeios dá sequência ao projeto Patronas, também de 2018.

Colar criado em parceria com Mariana Porto - Foto: Divulgação
Colar criado em parceria com Mariana Porto – Foto: Divulgação

Amigas há mais de 30 anos, Vera e Mariana reforçaram neste trabalho uma comunhão de interesses em relação à natureza e referências étnicas. “Me fez sair da zona de conforto”, avalia Vera. “Elementos vindos desses dois caminhos tomaram forma, conciliaram-se esteticamente”, diz ela, que está sempre abastecendo linhas já lançadas com novidades, reforçando o caráter atemporal de seu trabalho.

Psicóloga de formação, trouxe o dom de ouvir e conduzir pessoas para a joalheria, que foi estudar em Londres, quando decidiu mudar de profissão. Conta que somente o fazer não traria significado ao caminho que vem percorrendo. “Adoro trabalhar com os artesãos”, diz ela.

Pulseira criada em parceria com Mariana Porto - Foto: Divulgação
Pulseira criada em parceria com Mariana Porto – Foto: Divulgação

Até o momento, seu foco esteve nos arredores de Trancoso. O próximo passo será descobrir a Amazônia. “Já fiz uma coleção, de longe, com a Casa do Rio, usando refugo de madeira da reconstrução de uma ponte da rodovia BR-319. Agora, quero ir até lá”, planeja.

Entre esses projetos, foi ao Butão e à Índia em busca de autoconhecimento e, depois, à Islândia, com a amiga Carolina Overmeer, que é embaixadora do We Are Project Zero, organização global comprometida com a proteção dos oceanos, com o objetivo de colocar até 2030, 30% dos oceanos sob proteção. “Levamos nossas filhas. Foi uma delícia poder tomar água em todas as torneiras, descobrir a trilha verde para bikes por todo o país e o comprometimento com a redução de lixo marinho”, diz Vera.

Brincos em cristais, ouro e diamantes - Foto: Divulgação
Brincos em cristais, ouro e diamantes – Foto: Divulgação

“Também me encantei pelas moedas decoradas com peixes e crustáceos. Trouxe e fiz pingentes com pedras incrustadas”, explica, acrescentando que 10% da venda é revertida para a Project Zero. Entretanto, ela garante que as viagens internacionais têm a ver com atualização. “Minha vontade é falar de Brasil.”

Leia mais:
Palha vai fazer bonito nas praias no verão 2019
Menos 1 Lixo: ativista ambiental é sucesso com copo ecológico