Fotos: Marcio Madeira

Com uma fileira de aerogeradores decorando a passarela da Chanel no Grand Palais, Karl Lagerfeld usa o vento como fio condutor de sua coleção de verão 2013, apresentada nesta terça-feira (02.10), em Paris.

Removendo a maioria dos símbolos da grife – como as camélias, por exemplo – Karl manteve apenas as pérolas, em tamanho maxi, decorando as peças e acessórios da coleção, que vem com forte influência 60’s – com uma gama de tecidos e acessórios plásticos, remetendo às criações de Pierre Cardin -, um pouco 70’s até, vista nas maxi plataformas listradas ou na pantalona transparente do penúltimo bloco do desfile.

Algumas jaquetas da Chanel são tão cropped que assumem jeitão de bolero, uma deliciosa brincadeira de Lagerfeld. Tem de tweed, minimalista em P&B, jeans, couro… O kaiser também tira onda com a enorme bolsa-bambolê, devaneio de uma coleção mais pop do que de costume. Volumes variam ao longo do desfile, dando ênfase aos ombros com shapes casulo e mangas-sino. Tudo com muitas tramas e texturas.

O exercício de formas continua nos vestidos trapézio, com os delicados bordados de catavento –  que traduzem, de forma mais literal, o tema da coleção. E, conforme o desfile se desenrola, o trabalho decorativo torna-se mais elaborado, culminando nos florais e folhagens aplicados num efeito 3D nos looks finais.

O tema eco-fashion também aparece em vestidos e jaquetas bordadas nos mesmos formatos dos painéis solares que decoram o piso da passarela. Uma das maneiras mais chiques de se abordar o universo sustentável. E, em um momento em que jovens designers estão tomando conta das grandes Maisons, Karl prova que a Chanel está longe de entrar nessa onda.