Por Sylvain Justum 

Foto: Getty Images

Na fronteira entre o étnico e o urbano, o verão da DVF (de Diane Von Furstenberg) ganha contornos de viagem globetrotter, com partida em Roma e escalas em Marrakesh e Jaipur. Na mala da cigana fashion, túnicas, caftãs, blazers desabados – ora máxi, ora curtinhos – e muitas calças Palazzo, aquelas indecisas entre ser calça, pantalona ou saia. Resultado: muito drapeado, torcidos e retorcidos, cintura alta e tecidos delicados como a seda, o crepe e o linho.

Na cartela explosiva, azuis, laranjas, verdes, salmão e um pouco de terracota para amenizar o efeito color blocking – pois é, amiga, ele segue firme e forte. Estampas não poderiam faltar no repertório de Diane. Elas abrem o desfile, em pétalas gráficas espalhadas em macacões, calças cenoura e tops assimétricos. Na porção mais estruturada da coleção, boa alfaiataria e vestidos de mangas exageradas, decorados por arabescos – que remetem à arquitetura marroquina -, em um efeito gráfico muito bem-vindo. Sobra espaço para uma salpicada de pernas à mostra, com comprimentos míni em shorts e minissaias.

No quesito high tech, além do foil metalizado, pincelado estrategicamente em alguns looks, destaque para os óculos de realidade aumentada do Google, o Glass by Google, ainda em fase de testes mas que completaram o look de algumas modelos e o da própria Diane, ao final da apresentação. No dia 13.09, um curta composto de imagens gravadas com a ajuda dos óculos vai mostrar, no canal do Google, no Youtube, além do endereço Google.com/+dvf, um making of do desfile e seus preparativos. Clique nas imagens abaixo para ver mais looks da passarela: