Chiara Gadaleta – Foto: Divulgação

Por Chiara Gadaleta

Minha paixão por moda começou há quase 30 anos. Nesta jornada, já desempenhei diversos papéis nesse mercado que me acolheu, me formou e me deu identidade: modelo, estilista, diretora criativa e dona de marca.

Na virada dos anos 2000, a moda, que para mim é um repórter de seu tempo, tinha entrado em descompasso e não representava mais a sua época. Já se falava em alterações climáticas e desigualdade social e a moda não refletia nem espalhava essas questões.

Século XXI

Meu coração ficou apertado e me perguntei, então, que moda seria essa? Qual seria a moda que poderia representar os NOSSOS TEMPOS, os NOVOS tempos? Como as pessoas iriam se vestir no século XXI?

Em busca de resposta, criei o Movimento Ecoera que, hoje, depois de 13 anos, se especializou em guiar empresas e empreendedores por um dia a dia mais sustentável, com menos impacto no meio ambiente e maior valorização das pessoas envolvidas em toda a cadeia de valor desse mercado que movimenta bilhões por ano!

Foto: Pixabay

Upcycling

Nesses anos de trabalho descobrimos que moda pode ser o UPCYCLING da sustentabilidade. Através de uma linda foto podemos espalhar a mensagem da sustentabilidade com muita rapidez. Usando a beleza e a criatividade podemos chegar muito mais longe e mais rápido. Essa é a moda que representa os nossos tempos.

Com a COVID-19, a moda precisa ampliar ainda mais seu olhar e contribuir para um mundo mais consciente, elegante e sustentável.

Aprendi ao longo desses 28 anos no mercado da moda que cada um tem seu papel, sua missão.

Pacto Global da ONU

Hoje, além de apresentar um programa de televisão sobre consumo consciente, ser embaixadora do Pacto Global da ONU no Brasil e diretora do Ecoera, começo minha história com a Bazaar nesta coluna semanal.

A gente vai se encontrar todas as terças-feiras por aqui, e espero inspirar com boas noticias.

Enquanto isso, deixo aqui pra vocês alguns conceitos dessa moda mais justa e mais bonita.

Glossário relâmpago:

Customização

A palavra é de origem inglesa, que remete à expressão “custommade”, que significa “sob medida”. A ideia é imprimir estilo e personalidade a qualquer produto. Assim, podemos dizer que customização significa adaptar ou modificar peças (no caso da moda) de acordo com o estilo próprio de cada um.

Consumo Consciente

Todo consumo causa impacto (positivo ou negativo) na economia, nas relações sociais, na natureza e em você mesmo. Ter consciência desses impactos na hora de escolher o que comprar, de quem comprar, definir a maneira de usar e como descartar o que não serve mais, faz com que os impactos positivos sejam maiores. Resumindo, consumo consciente é consumir com consciência de seu impacto, e voltado à sustentabilidade.

Design Sustentável

Um produto com design sustentável deve ser economicamente viável, ecologicamente correto e socialmente equitativo. O design deve satisfazer as necessidades humanas básicas de toda a sociedade. Todas as etapas do processo de produção devem estar conectadas. Que um produto não tenha somente impacto positivo no ambiente, mas também nas pessoas envolvidas no ciclo de vida do produto.

Economia Circular

É um sistema econômico que produz e consome em ciclo contínuo, onde não existe resíduos, já que os componentes biológicos ou técnicos de um produto são projetados para serem reabsorvidos ou reutilizados na etapa seguinte.

Na moda, por exemplo, é assim: a semente do algodão se desenvolve em árvore e fruto, daí o algodão é colhido, fiado e tingido. Torna-se tecido que vira a camiseta que você compra. Se for feita 100% de fibras naturais e sem tingimento químico, essa mesma camiseta pode ser compostada, virando adubo que, por sua vez, volta para à terra devolvendo os nutrientes para a semente.

Empresas que prezam pela economia circular em seu plano de negócios, têm estratégias como reciclagem, peças atemporais e duráveis, logística reversa e serviços de reparo.

Meio Ambiente

O meio ambiente envolve todas as coisas vivas e não vivas da Terra, que afetam os ecossistemas e a vida dos humanos.

Orgânico

Os produtos orgânicos são obtidos através de um processo saudável, sem danos para o meio ambiente. Os alimentos orgânicos não são geneticamente modificados e estão livres de produtos químicos

ODS

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) são uma agenda mundial adotada durante a Cúpula das Nações Unidas composta por 17 objetivos a serem atingidos até 2030.

ONG

As organizações não governamentais (ONGs) são entidades privadas da sociedade civil, sem fins lucrativos, cujo propósito é defender e promover uma causa política.

A causa pode ser de qualquer tipo: direitos humanos, direitos animais, direitos indígenas, gênero, luta contra o racismo, meio ambiente, questões urbanas, imigrantes, entre muitos outros. As ONGs são parte do terceiro setor, grupo que abarca todas as entidades sem fins lucrativos (mesmo aquelas cujo fim não seja uma causa política).

Pegada de Carbono

Pegada de carbono mede a quantidade total das emissões de gases do efeito estufa causadas diretamente e indiretamente por uma pessoa, organização, evento ou produto. Tudo o que fazemos emite carbono, portanto nosso estilo

de vida tem impactos ambientais globais. Através do cálculo da pegada de carbono, é possível compensar as emissões pelas atividades realizadas.

Pós-consumo

Para falar em pós-consumo é preciso antes falar em ciclo de vida ou vida útil de um produto. A vida útil de um bem é entendida como o tempo decorrido desde a sua produção original até o momento em que o consumidor se desfaz

dele. Dessa maneira, um produto ou material torna-se bem de pós-consumo quando sua vida útil é encerrada e, mesmo assim, ainda pode ser aproveitado para algum fim específico. Isso acontece nos brechós, por exemplo, onde você pode encontra peças cuja vida útil pode ter chegado ao fim para o primeiro dono, mas ainda pode ter muito valor em segunda mão.

Reciclagem

É o processo em que há a transformação do resíduo sólido que não seria aproveitado, com mudanças em seus estados físico, físico-químico ou biológico, atribuindo características ao resíduo para que ele se torne novamente matéria-prima ou produto. Faz parte dos três “39” ou “erres: reciclagem, reutilização e redução. Como a reciclagem consiste em reprocessar um item, ela é diferente da reutilização (em que há apenas a utilização do item para outra função) e da redução (que consiste em diminuir o consumo de determinados produtos).

Foto: Pixabay

Sustentabilidade

O termo “desenvolvimento sustentável” foi usado pela primeira vez em 1987, por Gro Harlem Brundtland, ex-primeira-ministra da Noruega e que atuou como presidente de uma comissão da ONU. Ela publicou um livro (“Our Common Future”) onde escreveu em partes: “Desenvolvimento sustentável significa suprir as necessidades do presente sem afetar a habilidade das gerações futuras de suprirem as próprias necessidades”. As ideias de sustentabilidade têm bases como ser ecologicamente correto, ser economicamente viável, ser socialmente justo e culturalmente diverso.

Upcycling

Upcycling é o processo de conversão de resíduos ou produtos inúteis em novos materiais ou produtos de melhor qualidade ou de melhor valor ambiental. É reciclar, mas transformando o produto (ou material) antigo em algo com mais qualidade.

O primeiro registro do termo “upcycling” é de 1994, feito pelo engenheiro alemão Reiner Pilz durante uma entrevista em que falou sobre o sistemas de gerenciamento de resíduos de demolição na Europa.  “Eu chamo isso de downcycling. Eles quebram tijolos, concreto, eles quebram tudo. O que precisamos é de upcycling, onde é dado mais valor aos produtos antigos e não menos”.

Veganismo

É um movimento que defende os direitos dos animais. Por razões éticas, os veganos são contra a exploração dos animais e tudo que envolva o sofrimento animal, é retirado da sua rotina diária. Assim, alimentos e produtos que tenham qualquer origem ou teste em animais não são consumidos por veganos.

A moda pode ser um agente de mudanças. Espalhe essa ideia e vamos juntos!

Com carinho,

Chiara