Foto: Pxhere.com

Por Daniela Houck

Há alguns anos, a Sociedade Brasileira de Pediatria lançou um guia de alimentação complementar, contendo estudos e orientações sobre o método Baby-Led Weaning (BLW), como estratégia eficaz de alimentação para bebês, encorajando-os a ter mais autonomia e melhor desenvolvimento na formação do hábito alimentar saudável.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Segundo Camila Alves, membro da atual gestão do Conselho Regional de Nutricionistas, a escolha da técnica de introdução alimentar (participativa ou BLW) é muito particular de cada pai, pois as famílias têm rotinas próprias, hábitos e realidades diferentes.

Ela ressalta ainda que os bebês precisam ser respeitados, já que, em alguns casos, eles dão sinais nas primeiras semanas se aquele procedimento escolhido está ou não sendo prazeroso.

Porém, o mais importante, independentemente da escolha para a introdução alimentar, é ver e compreender as capacidades do bebê em relação à alimentação, e respeitar os sinais da saciedade. O papel na introdução alimentar é responsivo, ou seja, oferecer alimentos saudáveis e de qualidade, propiciando um ambiente agradável e seguro na hora da refeição.

Outro ponto importante é manter o foco nos aspectos psicossociais. O segredo para que o baby tenha uma formação de paladar benéfica é o exemplo daquilo que é ingerido. A alimentação da criança é o reflexo do que os pais comem em casa. Se você quer que o seu filho tenha uma alimentação equilibrada, você também terá que rever o cardápio cotidiano. O desafio na introdução alimentar é justamente desconstruir a ideia de que nós somos os protagonistas dessa iniciação.

* Camila Alves é membro da atual gestão do Conselho Regional de Nutricionistas da 3ª Região SP-MS, nutricionista com especialização em Nutrição Clínica em Pediatria pelo Instituto da Criança HCFMUSP