Foto: Reprodução/Lynsie Roberts.com

Nem todas as peles estão aptas a passar pela limpeza de pele. Ela é indicada para quem tem muitos cravos. Nesse caso, apenas os tratamentos tópicos não dão conta de higienizar os poros. Quem tem pele seca raramente precisa passar pelo procedimento, que também é contraindicado para quem sofre com rosácea e tem acne severa ou espinhas muito inflamadas. Nesse caso, qualquer estímulo piora o quadro.

A limpeza pode ser feita de duas formas: por meio de um aparelho de sucção ou manualmente. A primeira opção desobstrui os poros a vácuo, é mais superficial e dói menos. A segunda, mais demorada e dolorida, é bem eficiente, pois o profissional sabe se o poro está totalmente limpo.

Em media, o procedimento deve ser feito uma vez por mês, mas tudo depende de avaliação médica. Fique atento durante a limpeza: a agulha ou o bocal do aparelho a vácuo devem ser descartáveis, e a dor não pode ser insuportável. Se, após a aplicação do tônico ou da mascara, você sentir um ardor intenso, fale com o profissional, pois pode ser uma alergia. Depois da extração, é comum o uso de lâmpadas com luz azul ou de ozônio, que estimulam a circulação e a cicatrização.

Assine a Harper’s Bazaar