Folk chic: a inglesa Flo Morrissey, que, aos 20 anos, já tocou em festivais grandes, tipo o Glastonbury deste ano - Foto: divulgação
Folk chic: a inglesa Flo Morrissey, que, aos 20 anos, já tocou em festivais grandes, tipo o Glastonbury deste ano – Foto: divulgação

Por Luísa Graça

Cabelos longos, curiosos olhos grandes e tenros 20 anos de idade, Flo Morrissey é cheia de alma, como cantora. Já como compositora, digere com profundidade sua trajetória rumo à vida adulta, criando algo significativo que ressoa para além de sua faixa etária. “Não importa quantos anos tenho ou onde estamos agora. Acho que atemporal é um termo que descreve o sentimento geral que quero transmitir com minha música”, conta à Bazaar.

Flo tem beleza chic, dentro do que é ser chic em Londres com 20 anos: tem estilo flower power chic, abusa dos braceletes e é viciada em roupa vintage. Vintage com assinatura, claro.  Sua voz é etérea. E seu rosto entrega uma inocência doce, de quem passou os últimos cinco anos compondo músicas sozinha em seu quarto, em Londres, e postando o resultado em páginas do Myspace e do Vimeo. “As pessoas não te levam muito a sério quando você é tão jovem. Pensam que se trata de mais uma garota com um violão pronta para ser um fantoche. E, então, se irritam quando você não diz ‘sim’ para tudo”, explica, com maturidade contundente.

Depois de ser descoberta por um empresário que a viu num blog japonês, Flo deixou seus pais e nove irmãos em Notting hill para viver por três meses em Los Angeles, onde gravou Tomorrow Will Be Beautiful no ano passado. Seu primeiro álbum, espécie de dream folk, tem produção de Noah Georgeson, outrora produtor de Devendra Banhart e Rodrigo Amarante, músicos que Flo admira e hoje tem em seu círculo de amigos. “Esse álbum é uma lição para mim mesma. Uma parte de mim se sente muito mais velha do que minha idade; outra parte quer se segurar firme na juventude. Talvez porque eu não tenha feito faculdade, não sei… tento balancear esses dois lados tão inerentemente meus.”