Carol Del Bue - Foto: Fernanda Porto
Carol Del Bue – Foto: Fernanda Porto

Por Ana Ribeiro

Nascida em Milão, filha de pai italiano e mãe de origem alemã, criada na América Latina, entre Venezuela e Argentina, e com família espalhada pela Itália, Suíça, Espanha, França e Inglaterra, Carolina Del Bue cresceu transitando entre culturas e aprendeu, na prática, o conceito de diversidade.

Vinha para o Brasil de férias desde criança, mas, quando morou aqui pela primeira vez, aos 21 anos, ficou primeiro na Bahia e depois no Ceará. “Me apaixonei pelo Nordeste, fiquei um tempo em Jericoacoara. Isso foi 15 anos atrás, quando a praia ainda era selvagem e não havia relatos de violência.”

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Mark Ivan Mukiibi Serunjogi - Foto: Carol Del Bue
Mark Ivan Mukiibi Serunjogi – Foto: Carol Del Bue

Fotógrafa formada em psicologia clínica, morou em Londres e trabalhou em Salvador durante um tempo também. Está em São Paulo há sete anos e meio. “Dois anos atrás, fiz uma tentativa de voltar para a Europa e não deu muito certo. Tinha começado no Brasil a levar mais a sério o projeto Gradient, e não quis colocá-lo na gaveta. Era muito urgente realizá-lo.”

Gabrielle Joie - Foto: Carol Del Bue
Gabrielle Joie – Foto: Carol Del Bue

Gradient é uma série de depoimentos que faz um panorama dos diversos graus em que a identidade de gênero se manifesta, filmado por ela com 31 pessoas entre São Paulo e Berlim. O material se transformou em uma minissérie de cinco episódios, com duração de cinco minutos, disponibilizados na plataforma online Hysteria – núcleo de produção de conteúdo feito só por mulheres, idealizado por Carolina Jabor – e que também vai se tornar um documentário em forma de longa-metragem.

Linn da Quebrada - Foto: Carol Del Bue
Linn da Quebrada – Foto: Carol Del Bue

“A minissérie é feita por pílulas num formato rápido, que se adapta à internet. Cada episódio é o entrelace de conversas de várias pessoas, falando de experiências, percepção pessoal, família, trabalho, violência. O longa me dá a possibilidade de me aprofundar mais”, diz.

O interesse pelo assunto se deu durante os estudos de psicologia clínica, cujo primeiro ano Carol cursou na Espanha. “Entendi muito bem que o corpo biológico não tem necessariamente a ver com o gênero da pessoa, e tive o primeiro contato com o conceito de hermafroditismo, que hoje é chamado de intersexualidade. Fiquei muito surpresa, ao longo dos anos, de ver como as pessoas não têm a mínima informação e percepção dessa questão.”

Liniker - Foto: Carol Del Bue
Liniker – Foto: Carol Del Bue

Como fotógrafa, Carol produziu, três anos atrás, um editorial de moda com o modelo andrógino Goan Fragoso, e descobriu que ele era uma espécie de ídolo e representante de uma gama muito grande de pessoas. Surgiu a ideia de fazer o registro fotográfico de um grupo bem diverso, para revelar os vários graus com que a identidade de gênero se manifesta.

Mas ela logo viu que imagens não dariam conta de mostrar o que queria: a beleza da diferença e a força da singularidade. “Fiquei com vontade de dar luz e voz para quem não tivesse espaço para falar.” Decidiu gravar os depoimentos em filme, metade no Brasil e a outra metade na Europa. “Fazer as entrevistas aqui foi muito fácil, o povo é mais aberto.”

Jaloo - Foto: Carol Del Bue
Jaloo – Foto: Carol Del Bue

Para tentar quebrar o gelo europeu, escolheu se instalar em Berlim – onde não conhecia ninguém, e angariou as pessoas por anúncios em redes sociais. “Berlim talvez seja o lugar mais alternativo da Europa. Ainda assim, mesmo lá há muita desinformação. As pessoas têm dificuldade de falar, mas consegui desenvolver um ótimo grau de intimidade com os entrevistados. Muitos deles me disseram que estavam contando alguma história pela primeira vez.”

Carol passou quatro meses em Berlim e, na volta, começou a dar forma ao projeto Gradient. Fez quase tudo sozinha: produção, direção, roteiro, câmera. Só teve ajuda na edição e na trilha sonora, com Diogo Strauss. “A música dele é linda, dá para escutar mesmo fora do filme.”

Goan Fragoso - Foto: Carol Del Bue
Goan Fragoso – Foto: Carol Del Bue

O nome é uma referência à variação de características que compõem a sexualidade humana. “O conceito do Gradient é uma visão que permite considerar todas as pessoas. Os sistemas que dividem as pessoas em caixas, que insistem em atribuir qualidades específicas à mulher e ao homem, ao masculino e ao feminino, deixam muita gente de fora.”

Daniel Nakamura - Foto: Carol Del Bue
Daniel Nakamura – Foto: Carol Del Bue

Para facilitar o entendimento, Carol faz um paralelo com a cor da pele. “Nem todo mundo é branco, negro ou amarelo. Os tons intermediários representam grande parcela da humanidade. Meu trabalho é uma reflexão sobre nossa sociedade”, completa.

Leia mais:
Betony Vernon: conheça a designer que cria joias com pegada erótica
Rihanna lança linha de acessórios de sex shop
Nunca é tarde: “eu gozei pela primeira vez aos 50 anos”