performance Make-up Coincidence  - Foto: Divulgação
performance Make-up Coincidence – Foto: Divulgação

por Gustavo Abreu

“Fazer arte é juntar coisas.” Foi sob essa ótica que Tunga passou quase meio século testando sinapses criativas e instigando reflexões, galgadas em ciência, poesia e filosofia. Em sua obra, juntou crânios, ímãs, dedais, agulhas, garrafas de cristal e trançou serpentes. Assim, tornou-se um dos maiores nomes da arte contemporânea mundial. Morto em junho, aos 64 anos, o pernambucano será celebrado neste mês com uma série de homenagens na programação especial de 10 anos do Instituto Inhotim. “Tunga constrói uma visualidade completamente inovadora e arrojada, mas, paradoxalmente, muito erudita e antiga. Trata-se de um imaginário sem tempo, pré-verbal e inconsciente, que enriquece enormemente a arte brasileira”, fala à Bazaar a portuguesa Marta Mestre, que desde março integra a equipe de curadoria do museu.

instalação True Rouge - Foto: Divulgação
instalação True Rouge – Foto: Divulgação

Ao lado de Cildo Meireles, Tunga foi das maiores inspirações para a criação do Inhotim, quando o museu ainda era sonho do bilionário da mineração Bernardo Paz. A obra True Rouge (1997) inaugurou a coleção, anos antes da abertura, quando tudo era, literalmente, mato. “No final da década de 90, os encontros de Tunga com Bernardo foram decisivos para uma mudança de enfoque na coleção, para instalações ou trabalhos site-specific de grande escala de artistas-chave da arte contemporânea”, analisa a curadora. O maior centro de arte contemporânea a céu aberto do mundo possui dois espaços dedicados ao artista: a Galeria Psicoativa, inaugurada em 2012, onde se encontram Lezart (1989) e Ão (1981); e a Galeria True Rouge, que abriga a pedra fundamental do Inhotim.

As homenagens a Tunga acontecerão nos dias 3, 8 e 9 de setembro. A performance mais aguardada é a reedição de Vanguarda Viperina, apresentada uma única vez no Brasil, em 1985. Nela, três serpentes são induzidas ao sono e trançadas. O público acompanha, então, o desatar dos animais durante duas horas, à medida que o efeito do sedativo passa. A performance será acompanhada por um time de especialistas do Instituto Vital Brasil. A programação de 10 anos do Inhotim tem ainda shows de Fernanda Takai e Marisa Monte e visitas temáticas. :: inhotim.org.br