Por Anna Paula Buchalla

Próximo ao centro histórico da Cidade do México, o bairro Colonia Juárez, que já foi o coração financeiro da capital, está fazendo um longo e aguardado retorno. Ali, famílias abastadas do passado ergueram enormes mansões de influência francesa, que com o tempo foram engolidas pelo crescimento urbano da região. Muitos casarões acabaram sendo destruídos para dar lugar a prédios de escritórios, mas boa parte deles renasceu para encanto de quem passeia e frequenta o bairro.

Lucerna Comedor aberto recentemente na Calle Lucerna em Juárez - foto: divulgação
Lucerna Comedor aberto recentemente na Calle Lucerna em Juárez – foto: divulgação

O terremoto de 1985 acabou por deteriorar ainda mais a área, mas, aos poucos, a bela arquitetura foi – e ainda está – sendo revitalizada. A galeria Marso, onde Harper’s Bazaar esteve recentemente para o brand event de Nina Ricci, é um desses exemplos. Um casarão histórico que passou a abrigar obras de arte e eventos hypados da cidade. A culinária também tem se beneficiado deste revival com casas como Havre 77, um bar de ostras e restaurante do estrelado chef Lalo García; ou o Lucerna Comedor, misto de espaço de alimentação, cafeteria e bar ao ar livre, ponto de encontro de gente linda e descolada. Há ainda o Milan 44, mercado gourmet, na esquina das ruas Milán e Roma.

Galeria Marso: eventos de moda e obras de arte - foto: divulgação
Galeria Marso: eventos de moda e obras de arte – foto: divulgação

Juárez é uma mistura do novo com o tradicional, um reduto de artistas e modernos, com a vantagem de estar nos arredores do Paseo de la Reforma, outro cenário de luxo e modernidade na capital mexicana. Uma das ruas mais importantes da cidade, reúne prédios de arquitetura ultramoderna e monumentos históricos da colonização espanhola.

Um bom lugar para ficar nessa região é o St. Regis Hotel, uma das filiais do original nova-iorquino, que tem serviço impecável e restaurantes luxuosos. Ele fica igualmente próximo ao Bosque de Chapultepec, o Central Park mexicano, um oásis de tranquilidade e cultura em meio ao trânsito caótico do entorno. É lá que ficam o Bosque e o Castelo de Chapultepec, o Zoológico, o Jardim Botânico e museus como o de Antropologia, o Museu de Arte Moderna e o Museu Rufino Tamayo.

Milan 44: mercado gourmet no coração de Juárez - foto: divulgação
Milan 44: mercado gourmet no coração de Juárez – foto: divulgação

Por ser tão viva, variada e contemporânea, a Cidade do México foi eleita destino número 1 de viagens para este ano de 2016 pelo New York Times. “Uma metrópole que tem tudo”, definiu o jornal norte-americano. Com seus milhões de murais e paredes coloridas, sua cultura da diversidade, artistas e designers que emergem para chacoalhar a indústria global das artes e da moda, a cidade é efervescência pura.

Quem leva: Aeroméxico. A companhia aérea opera a rota São Paulo – Cidade do México há mais de 15 anos, com sete voos diretos por semana. As aeronaves Boeing 777 têm capacidade para 277 passageiros, 49 deles na Classe Premier. Vale muito a pena pagar um pouco a mais pela classe AM Plus, com benefícios nas três primeiras fileiras da classe econômica: há mais espaço para as pernas e grau de inclinação maior do encosto da poltrona, além de prioridade de embarque e desembarque, check-in em terminais de autoatendimento Premier, e identificadores de bagagem.