Por do sol na praia de Ipanema (Foto: Arquivo/Getty Images)

Por Dani Pizetta*

Acho que os verões começam a chegar na gente meses antes da hora marcada. A estação mais sexy do ano ainda está fazendo a curva e nossa pele já anda à mostra. Verão é sinônimo de férias, encontros, drinks, amores e indulgências; atividades diretamente ligadas à liberdade de viajar, conhecer pessoas e expandir os horizontes.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

A exemplo do que aconteceu no Verão do outro lado do mundo, sugiro “segurarmos a nossa onda”. Este ano tem algo diferente no ar. E, acredite, é possível ser ainda mais sexy voando solo, baixo, perto e para dentro. Pensando em formas seguras de viajar e espairecer na temporada mais quente do ano, preparamos cinco dicas “diferentonas” para fazer a mala sem esquecer que vivemos em tempos de pandemia e que, em momentos como este, ser sexy é ter saúde e empatia. Siga os voos:

1) Solo

Viajar sozinha requer coragem, mas é um alento. Em tempos de maior cuidado com o outro, evitar comboios pode ser a melhor forma de fazer nossa parte. Se você precisa de um tempo (de quem quer que seja), essa viagem é pra você. Se puder, vá de carro. Pegar a estrada é sinônimo de contemplar a paisagem e, como dizem os mais experientes, “o melhor da viagem, é o caminho.” Para preencher um possível vazio inicial, prepare uma boa playlist. Música ocupa nossa vida e, na estrada, exercita nossas cordas vocais e o não-julgamento (vale cantar alto, errado e fora do tom).

Praias e muito horizonte são as melhores escolhas para uma primeira viagem solo. De olho na sua segurança, opte por um destino que já visitou. Voltar a um lugar conhecido sozinha lhe abrirá novas perspectivas. Hospede-se em uma pousada charmosa, de repente. O melhor desta viagem será entrar no seu ritmo e permanecer nele o tempo que for preciso. Por fim, para aproveitar melhor os benefícios da sua companhia, silencie: “o verbo é apenas a diluição do pensamento, portanto, é no pensamento que encontramos as respostas para muitas perguntas.”

Foto: Acervo pessoal

2) Baixo

Não é a melhor hora para cruzarmos oceanos. Deixemos para quando a vacina chegar. Por ora, exploremos o nosso País, escolhendo as estradas menos viajadas. O Brasil é tão vasto e tão cheio de surpresas, e o mais importante: está precisando do seu carinho e da sua presença. Entre lugares conhecidos, o segredo é buscar por destinos fora da rota e se informar sobre quais são as regras locais para circular sem correr riscos ou se transformar em uma ameaça a quem vive neles.

Se a maioria dos seus conhecidos vai à praia, pegue sua turma e fuja para a montanha. Existem achados e casinhas via Airbnb, que parecem saídos de filmes europeus. Mas se a intenção é se misturar com a paisagem brasileira, as serras da Canastra e da Mantiqueira, em Minas Gerais, e até mesmo a do Rio do Rastro, no sul do País, abrem imensamente os horizontes de quem quer paz e sossego.

As chapadas brasileiras e toda a sua exuberância nos presenteiam com trilhas, grutas, cachoeiras e uma experiência que nos coloca em contato com uma enorme diversidade natural. Entre as menos badaladas, com 3.441 km², e localizada entre os sertões do Ceará, Pernambuco, Paraíba e Piauí, fica a Chapada do Araripe, que – além da beleza geográfica – é uma viagem extremamente educativa.

Araripe leva o título de geoparque e é o único representante brasileiro que integra a lista do Programa Internacional de Geociência e Geoparques (IGGP, sigla em inglês) da Unesco. O local preserva vestígios da presença humana há 30 mil anos. No site do Ministério do Turismo é possível encontrar mais informações.

Foto: Acervo pessoal

3) Perto

Sabe aquela viagem de final de semana, que dá pra fazer um bate-volta? Estenda e fique mais tempo. É hora de viajar com calma, curtir mais os lugares, andar a pé, alugar uma bicicleta, aprofundar sua leitura e relaxar corpo e mente, sabendo que não perderá um dia inteiro no aeroporto. De onde você estiver, ligue o radar e procure por vilas, pousadas, casinhas e, por que não, um camping perto de você? Ok, ok, existem os “glampings” – acampamentos ultrachiques com estrutura de hotel. Maa ainda são raros no Brasil.

“Foque em experiências e não em coisas”, quando escrevi a respeito das viagens sustentáveis – as chamadas green travels. Neste tipo de viagem, a companhia é fundamental, leve alguém que você amaria ficar conversando por horas: sobre a vida, os oceanos, as estrelas, filosofia… sobre arte, música, sonhos e ideias. Só de escrever, já me transporto para este “lugar”, talvez seja minha viagem preferida. E se a intenção é viajar para se sentir inspirado, saiba que grandes ideias e projetos nascem em viagens como esta. #Partiu 😉

Foto: Acervo pessoal

4) Dentro

Viagem filosófica: foi assim que muitas pessoas sobreviveram aos últimos 270 dias do ano mais desafiador das nossas vidas. Com a chegada do verão, vem a pergunta: a vida só acontece lá fora? Nem sempre. Segundo o jornalista Ricardo Moreno, o verão é mais que uma estação, é um estado de espírito. Viajar para dentro independe de transporte, agenda ou clima. É um hábito e característica de pessoas solares por natureza.

As pessoas “solares” costumam ver o lado bom da vida sem perder o foco no noticiário. No fundo, andam atentas, mas parecem viver em uma eterna zênite imaginária em relação ao rei sol, capaz de iluminar com precisão suas próprias almas e a de todos que cruzarem seu caminho. A propósito, jogar luz nos outros é a qualidade mais intensa dessas pessoas. Ao contrário das que “andam com uma nuvem na cabeça”, andam com aquela brasa latente no coração

Foto: Acervo pessoal

5) Explore

Sabemos que 2020 não foi muito solar. Pelo contrário! Nos trouxe uma enorme tempestade, deixando uma nuvem de apreensão, angústia e confusão. Mas para criativos e otimistas ( me incluo nesta tribo), serviu como um ultimato para explorar o (mesmo) mundo por outro ângulo e aceitar que só existe um elemento no comando deste planeta, e se chama: natureza.

Prova disso é que, faça chuva ou faça sol, trancados em casa ou escapando para reabastecer o estoque de vitamina D, a terra continuou girando. Como programado, no dia 21 de dezembro de 2020, mais uma vez, o Verão vai chegar por aqui. A diferença será nossa consciência.

Sendo assim, vamos segurar a onda só mais um pouquinho porque outros dias verão!


* Enclausurada por conta da pandemia, a globetrotter tem viajado pelas páginas dos livros e nas conversas com amigos. Sempre de bom humor, com paz interior de dar inveja e intensa curiosidade, a consultora criativa e colunista de viagem da Bazaar tem como mantra: “criatividade não é mantra, é missão”.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Harper’s Bazaar Brasil.