Foto: Divulgação

Por Fernanda Fehring

Sensação da hotelaria da serra fluminense, a Casa Marambaia abriu as portas no final de dezembro de 2020 no emblemático casarão da Fazenda Marambaia, que tem área total de 2,5 milhão de metros quadrados e fica na região serrana do Rio de Janeiro. Com apenas 8 suítes, a antiga fazenda de Odete Monteiro, que ergueu o casarão na década de 1940, com projeto do arquiteto Wladimir Alves de Souza, está localizada em Corrêas, um distrito da cidade imperial de Petrópolis.

Foto: Divulgação

Os jardins da casa, projetados por Burle Marx, e recentemente restaurados por Daniela Infante, seriam uma atração por si só tamanha é sua beleza. Com belos canteiros coloridos, árvores frondosas, palmeiras imperiais e até um pequeno campo de lavandas, o jardim conta também com um lago com patos e dois cisnes negros. Para emoldurar essa paisagem idílica, a vista limpa para a cordilheira da Serra dos Órgãos dá um toque quase surreal ao cenário.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O hotel

Desde sua abertura, a Casa Marambaia tem feito tamanho sucesso, que já é difícil conseguir reservas para os fins de semana. O belo hotel tem projeto de interiores assinado pelo escritório de arquitetura Projeto Mix e curadoria de móveis de Cláudia Aguiar, proprietária da loja Empório Maria Maria, localizada na vizinha Itaipava.

Foto: Divulgação

O trabalho em parceria imprimiu elegância e sofisticação ao casarão e manteve a aura e muitas características da casa adquirida nos anos 1980 por seu segundo proprietário, o banqueiro Luiz César Fernandes, fundador do Banco Pactual. A casa então foi palco de grandes festas frequentadas pela alta sociedade carioca e por grandes celebridades internacionais.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Os quartos

O hotel possui 8 amplas suítes muito confortáveis, com decoração clássica e aconchegante. Todas elas contam com cama king, cofre, minibar, cafeteira e têm linda vista para o jardim. Muitos dos móveis usados são originais da casa, verdadeiras relíquias, que foram cuidadosamente restaurados e catalogados.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Há no escritório do hotel, inclusive, uma escrivaninha que foi usada por Olavo Bilac para escrever o Hino da Bandeira Brasileiro. E ainda objetos de decoração, como lustres e abajures de Lalique, espelhos e vasos também originais da década de 1940, o que empresta um ar de elegância e autenticidade ao hotel.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

 

Gastronomia

A gastronomia do hotel tem no comando três grandes chefs. Rolland Villard, o querido chef francês que durante muitos anos tocou o estrelado Le Pré-Catelan, no Hotel Sofitel Rio de Janeiro, e, atualmente, é representante e consultor da Escola Le Cordon Bleu no Brasil. David Mansaud, ex-chef executivo no Belmond Copacabana Palace, com duas estrelas Michelin na última edição do guia, antigo instrutor da Escola de Alain Ducasse, em Paris, e antigo sous chef executivo no Hotel Le Meurice de Paris. E Bruno Hamad, chef executivo das Olimpíadas de 2016, integrante do comitê Bocuse d’Or em 2015 e passagem por estabelecimentos estrelados pelo Guia Michelin (3 delas em estabelecimento em San Francisco, em 2014, e 2 duas em Lyon, em 2013). Bruno ganhou ainda um prêmio como Revelação da Gastronomia Paulistana em 2010.

Bruno Hamad, Roland Villard e David Mansaud – Foto: Leonardo Guimarães

O menu elaborado por eles tem como conceito o “comfort food”, perfeito para a região serrana, de temperaturas mais baixas. Sua cozinha traz receitas clássicas com um twist, que utilizam produtos orgânicos produzidos na fazenda e na região.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A carta de vinhos é muito bem montada e tem como destaque excelentes rótulos brasileiros. O serviço é jovem e simpático, e o restaurante do hotel é tão bonito e aconchegante que nos lembra a sala de jantar da casa de amigos queridos.

Foto: Divulgação

O café da manhã merece menção por sua excelente seleção de pratos quentes à la carte, como ovos beneditinos, minicroque monsieur, panquecas americanas e waffles. Ovos de todos os tipos, pães de queijo e um brioche feito na casa, que chega na mesa quentinho. De comer rezando!

Foto: Divulgação

Fora o serviço de almoço e jantar, o hotel oferece ainda um chá da tarde com vienoiseries e bolos, financiers de framboesa e até um charmoso carrinho de chá. Um pianista tocando lindamente ao fundo e uma lareira crepitando na sala, compuseram a cena, que mais parecia ter saído de um livro de Jane Austen.

Foto: Divulgação

O brunch aos domingos traz um menu degustação com minientradinhas, um prato principal e minissobremesas. Uma bela oportunidade para conhecer a cozinha criativa do trio de chefs talentosos.

Durante minha estadia por lá, o hotel organizou um jantar harmonizado na adega e foi uma noite muito especial. A mesa montada com cadeiras com mantas de ovelha deu um charme todo especial ao ambiente, além de nos proteger do frio. A adega é um charme e muito aconchegante, ideal para celebrações em petit comité. Simplesmente inesquecível!

Foto: Divulgação

Atividades

Fora os eventos gastronômicos, o hotel oferece uma boa infraestrutura para atividades esportivas. Conta com duas quadras de tênis de saibro e uma quadra rápida, uma quadra de beach tênis, esporte que virou febre no Rio de Janeiro, e uma academia completíssima.

Foto: Divulgação

A propriedade tem trilhas ao ar livre, com diversos níveis de dificuldade, para caminhadas ou bicicletas e experiências como aula de ioga no jardim e bird watching também estão disponíveis. O hotel também conta com uma bela piscina e uma churrasqueira.

Foto: Divulgação

Wellness 

Um grande trunfo do hotel, e das coisas mais bacanas que fiz durante minha estadia por lá, foi a massagem sueca de ótima qualidade. Um spa completíssimo da L’Occitane está nos planos do hotel, mas enquanto ainda não foi construído, a terapeuta Carla, que tem 20 anos de experiência no spa do Copacabana Palace, atende os hóspedes em seus quartos. Como adoro fazer massagem, e faço com muita frequência, dou muito valor a hotéis que têm bons terapeutas e oferecem ótimos tratamentos corporais e faciais. Na Casa Marambaia é possível fazer inclusive reflexologia, massagem nos pés que tanto adoro, e que pelas mãos da craque Carla, imagino ser dos Deuses.

Minha estadia

Cresci na região serrana do Rio de Janeiro passando as férias de verão com a minha avó no Vale da Boa Esperança, a alguns quilômetros de Corrêas. O meu sentimento, e o de muitos cariocas, quando sobem a serra é o de resgate de uma memória afetiva, de férias escolares longas e tão felizes, de bolo quentinho, de banho de rio, de tardes intermináveis de brincadeiras e de colo de avó. Cada curva daquela serra nos é muito familiar e tem gostinho de “voltar pra casa”.

Foto: Arquivo pessoal/Fernanda Fehring

Quando recebi o convite para visitar o hotel, pensei que poderia ser até um pouco estranho subir a serra para ficar em um lugar tão extraordinário e elegante como a Casa Marambaia. Porém, o que vi por lá foi um hotel incrivelmente aconchegante, um lugar de uma beleza deslumbrante e uma tranquilidade deliciosa, que te faz descansar o corpo e a alma. Mesmo em uma casa com dimensões de palacete, a descontração e o conforto predominam.

Foto: Arquivo pessoal/Fernanda Fehring

De forma sutil, mas eficiente, a Casa Marambaia conseguiu criar um ambiente familiar, que recebe o hóspede com todo o carinho e paparicos. Através de seu serviço gentil, o hotel nos fez sentir acolhidos e cuidados o tempo inteiro. As experiências, preparadas com tanto esmero, me mostraram que a satisfação do hóspede é o objetivo número 1 do hotel.

O restaurante é aberto a não hóspedes e um almoço, jantar ou até um brunch são excelentes oportunidades para quem quer conhecer um dos lugares mais encantadores da serra fluminense. Uma experiência imperdível.

Casa Marambaia

Endereço: Rua Dr. Agostinho Goulão, 2098 – Corrêas, Petrópolis – RJ.
Reservas: (24) 99965-2115.
Email: reservas@casamarambaia.com.br.
www.casamarambaia.com.br
@casamarambaia
 

@fernandafehring é formada em Hotelaria, Gastronomia e Turismo pela Universidade de Surrey, na Inglaterra, e em Cozinha pela École Le Cordon Bleu, de Paris. Foi expatriada por 18 anos, morando em países como Inglaterra, Alemanha, China, França e África do Sul. Mas é no Rio de Janeiro que Fernanda se sente mais feliz. Formada pela McQueens de Londres, Fernanda teve um ateliê de flores durante seis anos no Rio. Trabalha atualmente como curadora de viagens e colunista, e sua grande paixão são as viagens de natureza e de isolamento. País preferido no mundo? África do Sul. Viagem dos sonhos? Alasca.