Roteiro mágico para aproveitar a Toscana

Que tal colocar a região italiana no radar da sua próxima viagem pela Europa?

by Cibele Maciet
Cibele Maciet - Foto: Arquivo Pessoal

Cibele Maciet – Foto: Arquivo Pessoal

Se você ainda não conhece a região da Toscana, provavelmente já ouviu falar dela muitas vezes. Localizada no centro da Itália, ela deu ao país sua língua (o italiano vem do dialeto toscano), o Renascimento e seus artistas e pensadores como Giotto, Michelangelo, Botticelli, Dante, Maquiavel e outros.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Região de vinhedos, árvores frutíferas e oliveiras, a Toscana é sinônimo de colinas, bosques de ciprestes, cantos de cigarras, paisagem cor de ocre e relevos bem destacados pelo sol. Cercada ao Norte pela Emilia Romana e ao sul pela planície do Lácio Romano, a região é extremamente diversa e rica em sabores e sensações.

Se planeja passar um tempo na região no próximo verão europeu, esse texto é para você. Mas, atenção, as temperaturas nessa época podem chegar aos 40°! Garrafa de água, boné, shorts e regatas, lá vamos nós! A ideia é fazer uma road trip (e quem não gosta delas?) de três semanas, pegando um voo até Florença (capital da Toscana) e alugando um carro diretamente no aeroporto.

O roteiro propõe um percurso até Roma, em um total de 230km, com paradas de um a dois dias pelo caminho. A volta reserva uma surpresa: já que quem está na chuva é para se molhar, que tal terminar a viagem com quatro dias na Provença francesa? Existem trens que saem de Genova e vão até essa região, também repleta de beleza e encantos…Andiamo?

Florença - Foto: Divulgação

Florença – Foto: Divulgação

Primeira parada non così lontano, a Piazza della Signoria, no centro histórico de Florença: ela hospeda algumas pepitas como uma cópia do David de Michelangelo. Seguindo em estilo medieval, o Palazzo Vecchio foi construído no final do século 18 para abrigar os escritórios do governo da (recém-criada) República Florentina. O arquiteto que deu à luz ao palácio é, nada mais, nada menos, que Arnolfo di Cambio, o mesmo que projetou a Catedral de Florença.

Outra maravilha, a Campanile de Giotto, de 85 metros, na Piazza del Duomo. O primeiro andar foi projetado por Giotto, e, a princípio, ele planejava elevar a torre a 115 metros, mas morreu em 1337 deixando o edifício inacabado…E, finalmente, quer ver o mais belo pôr do sol de Florença? Direção Giardino Bardini, um jardim renascentista de quatro hectares, com uma vista incrível da cidade.

Onde ficar

Il Salviatino - Foto: Divulgação

Il Salviatino – Foto: Divulgação

Il Salviatino, charmoso hotel cinco estrelas longe do burburinho de Florença, a 15 minutos do centro da cidade. Situada em uma colina, a villa do século 15 é um sonho de arquitetura e décor, com afrescos de época, tecidos luxuosos e obras de arte contemporâneas. Jardins orgânicos e o vasto terraço com vista para Florença e seu famoso Duomo também estão no programa, além de uma caça às trufas. Atenção à biblioteca, forrada de obras espetaculares e frequentada por Salvador Dali e Gabriele D’Annunzio no século passado.

Com 44 quartos, um deles é de tirar o fôlego: a Suite Affresco, um verdadeiro antro renascentista, ideal para os amantes da história e da arte. Centrado em torno de um afresco de 1886 de Bruschi, o espaço também apresenta duas telas a óleo de Gabriel van Der Leeuw, conhecidas como “Il Fiammingo ». Os preços das diárias começam a partir de 500€.

Cortona - Foto: Divulgação

Cortona – Foto: Divulgação

Pé na estrada: a uma hora e meia dali,nosso próximo destino é a cidade de Cortona, situada em uma colina entre a Toscana e a Umbria. Com origens nos tempos etruscos, é uma das cidades medievais mais populares da Toscana. A visita pode começar na Porta San Domenico, seguindo até a Piana Ruga para chegar à Piazza della Repubblica. O Palazzo Communale, com sua torre central e escadaria, é um dos mais belos edifícios medievais da cidade. Cortona sempre foi popular, mas desde que a escritora Frances Mayes se baseou na região para escrever “Under the Tuscan Sun : At Home in Italy (1996), suas ruelas vivem lotadas.

Onde ficar

Il Falconiere - Foto: Divulgação

Il Falconiere – Foto: Divulgação

No Il Falconiere, hotel quatro estrelas que faz parte da prestigiosa rede Relais & Châteaux, que reúne a crème de la crème de hotéis de charme mundiais. O local oferece um restaurante com uma estrela no Michelin, o Il Falconiere, comandado pela proprietária do local, a chef Silvia Baracchi. A piscina é incrível e as paisagens locais valem a pena! Os preços começam a partir de 320€.

Montalcino - Foto: Divulgação

Montalcino – Foto: Divulgação

Descendo em direção a Roma, a nossa próxima parada é a cidade de Montalcino, uma das cidades mais interessantes do Val d’Orcia, região tombada pelo Patrimônio Histórico. Também conhecida pelo vinho Brunello produzido em suas colinas, a cidade abriga um centro histórico cercado por muralhas originais, algumas datadas do século XIII. Existem três entradas pelas muralhas: Porta Murelli ao norte, Porta Castellana ao leste e Porta Cervara ao sul. Chegando de carro, você provavelmente entrará pela Porta Cervara. Dai, o mais interessante é apreciar os monumentos e parar para saborear um café stretto nas inúmeras caffetterias locais.

Onde ficar:

Castiglion del Bosco - Foto: Divulgação

Castiglion del Bosco – Foto: Divulgação

No cinco estrelas Castiglion del Bosco, no mínimo, um pequeno paraíso. Vencedor da categoria de “Melhor recepção e serviço de hotel na Europa (com menos de 80 quartos)” da 19a edição do Prix Villégiature, respeitado prêmio internacional de hotelaria, o local é extremamente eficaz quando o assunto é receber.

Entrega de café da manhã (com frutas frescas e pães), chá da tarde (com doces frescos e biscoitos caseiros) e aperitivo (com vinhos Brunello e tábua de frios locais) no quarto, limpeza impecável, amenities variadas, o luxo aqui é tudo e um pouco mais. O hotel, que oferece 23 suites e 11 villas, faz o melhor “Pici all’aglione” (espécie de pasta ao alho) da região, servido no restaurante Osteria La Canonica. Se passar por lá, também não deixe de provar o “Uova di Orcino con spinaci” (Ovos com espinafre e queijo pecorino) no café da manhã. Você vai lembrar de mim: entendedores entenderão! Os preços começam em 800€ por noite.

Maremma - Foto: Divulgação

Maremma – Foto: Divulgação

Próximo destino, a região vulcânica de Maremma, lugar pouco frequentado pela horda de turistas, a uma hora de meia de Montalcino. Tida como miraculosa por alguns, ela oferece cascatas com aguas sulfurosas que atraem centenas e centenas de italianos todos os anos, em busca dos benefícios da água. Usuários defendem que ela é benéfica no tratamento de doenças de pele como psoríase e dermatite seborréica, ela ainda limpa o organismo de radicais livres, ajuda na circulação, entre outros pequenos milagres.

Onde ficar

Terme di Saturnia Spa Golf Resort - Foto: Divulgação

Terme di Saturnia Spa Golf Resort – Foto: Divulgação

No Terme di Saturnia Spa & Golf Resort, com uma piscina termal a 37,5° situada acima das crateras de um vulcão, um espetáculo da natureza que se renova quatro vezes por dia. O spa do Terma di Saturnia só utiliza produtos feitos com a água local, e o restaurante 1919 é uma delícia. Um lugar que vale a pena visitar! Preços de diárias a partir de 420€.

A apenas 2h30 de carro, a esperada Roma nos aguarda! O que falar de Roma? Perambule, vá ao Antico Caffé Greco na Piazza di Spagna, um ex-café literário que acaba de festejar dois séculos e meio, ou ao restaurante Felice a Testaccio (http://www.feliceatestaccio.it/), o grande papa da Pasta Carbonara. Visite o Villa Ada, um belo parque muito popular entre os habitantes locais. Se você estiver na área, não perca a granita do De Angelis e e os mini-croissants do Benaco (Via Benaco, 13), ou o mil folhas de Cavaletti (Via Nemorense, 179).

Onde ficar

Sofitel Roma Villa Borghese - Foto: Divulgação

Sofitel Roma Villa Borghese – Foto: Divulgação

No recém-inaugurado cinco estrelas Sofitel Roma Villa Borghese, ao lado do famoso parque Villa Borghese, perfeito para um ou dois dias na cidade. Pequeno, porém eficiente, ele oferece uma vista 360° da “cidade eterna”, um privilégio para poucos. Suba até o sétimo andar para jantar no restaurante Settimo e aprecie esse momento único. Roma será sempre Roma! O café da manhã é variado e apetitoso e os quartos são charmosos e novinhos em folha. Preços a partir de 290€. When in Rome, também não deixe de ir ao restaurante Il Giardino do hotel Eden Rome, com uma vista ainda mais espetacular de Roma. Aqui, o serviço é top, e os pratos um mix de cozinha italiana moderna com tradicional. Buon appetito!

Mas ainda não acabou: “The eyes has to travel”, já dizia a famosa editora da Bazaar Diana Vreeland! Faça o percurso de volta ao norte da Itália em fases, parando pelo caminho. Conte com cinco horas de viagem no total, de Roma até Gênova, com pit stops para almoçar e vários cafezinhos nos famosos restaurantes de estrada. Música e boa companhia são obrigatórias! Passe uma noite em Gênova, para no dia seguinte, pegar o trem até Cannes (site para reservar os tickets). Pode contar com 4h de viagem.

Mougins - Foto: Divulgação

Mougins – Foto: Divulgação

Da rodoviária de Cannes, pegue um Uber até o próximo destino: Mougins, pequeno vilarejo ao lado de Grasse, berço dos perfumes franceses. Com sua pracinha charmosa, é um convite ao flanar e à la joie de vivre francesa.

Onde ficar

Le Mas Candille - Foto: Divulgação

Le Mas Candille – Foto: Divulgação

No Le Mas Candille, hotel cinco estrelas. A vista do restaurante estrelado pelo Michelin Le Candille é de arrepiar, com pratos como ombro confit de cordeiro cozido por 7 horas, bulgur de limão cristalizado ao molho de especiarias e peixe gratinado, purê de batata com raspas de limão e manjericão, de comer embaixo da mesa, ajoelhado e rezando. O melhor: a vista do restaurante, com Grasse aos nossos pés (ou melhor, aos nossos olhos!). Não é à toa que o hotel também levou uma categoria do Prix Villégiature, o de “Coup de foudre “, escolhido pelo júri. Preços a partir de 370€.

E para encerrar nossa road trip, nada melhor que um dos mais bonitos vilarejos franceses, Lourmarin. Verdadeiro refúgio provençal com 11 restaurantes, incluindo um com duas estrelas no Michelin, abriga um dos mais belos mercados provençais da região, além de um magnífico campanário, chamado “Boite à sel”. O castelo renascentista Villa Medicis de Provence é de morrer de amor, assim como as casas com fachadas renascentistas. O mítico escritor Albert Camus está enterrado lá.

Onde ficar

Chateau de Fonscolombe - Foto: Divulgação

Chateau de Fonscolombe – Foto: Divulgação

No Château de Fonscolombe, a 2h30 de carro de Mougins (você pode alugar um carro só para essa viagem e devolvê-lo no aeroporto, de volta ao Brasil). Esse castelo familiar do século 18 transformado em hotel cinco estrelas é tombado pelo Patrimônio Histórico. Construído em estilo Quattrocento, ele possui 50 quartos, salões históricos com couros de Gênova, papeis de parede chineses do século 18, lustres e portas provençais. A ideia é passear pelo castelo ouvindo o disco “The Six Wives of Henry VIII”, de Rick Wakeman… Teletransporte ao século 16 garantido! Um luxo acessível a partir de 347€.