Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Em depoimento a Luciana Franca

Luiza Mariani está no elenco do filme “Todas as Canções de Amor”, dirigido por Joana Mariani. Em bate-papo exclusivo com a Bazaar, ela divide sua rotina em Nova York, para onde se mudou com a família para realizar um projeto antigo. Veja:

7:30
Já estou de pé com as crianças (Dora, 6 anos, e Tom, 2). Mal abro os olhos e os dois já estão a mil em casa, felizes, correndo pela sala. Levanto (exausta), não sou exatamente uma pessoa que adora acordar cedo… Se não tivesse filhos pequenos, provavelmente dormiria até meio-dia. Então, arrumo os dois para irem para a escola e meu marido (o advogado Flavio Zveiter) faz o café da manhã por volta das 7:45. Eles adoram waffle com mel, banana amassada com aveia e suco de maçã.

Tenho um ritual longo de manhã: lavo o rosto com uma espuma de limpeza, na sequência aplico vitamina C, hidratante e, faça chuva ou faça sol, muito filtro solar de alta proteção com cor. Quando preciso sair de manhã, finalizo com o (blush) Orgasm, da Nars, nas bochechas e corretivo nas olheiras, que estão maiores a cada dia (risos).

8:15
Meu marido leva Dora e eu fico com o pequeno, que só entra 45 minutos depois.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Com a filha Dora - Foto: Divulgação
Com a filha Dora – Foto: Divulgação

9:15
Volto da escolinha e sento para tomar meu café da manhã com calma, que é minha refeição preferida. É o momento em que consigo ler os jornais do dia, adoro. Também estou gostando de experimentar coisas novas por aqui, tenho me arriscado no fogão: panquecas viraram minha especialidade. A minha preferida é a de aveia com banana, canela e óleo de coco. Tomo água de coco, religiosamente, todas as manhãs e café preto com canela. Sou viciada em canela.

10:30
Às segundas, quartas e sextas-feiras, faço uma aula superpuxada de ginástica chamada SLT, que é uma mistura de força e alongamento. A gente treina em cima de macas suspensas. Fazer ginástica virou um ritual fundamental para o meu bem-estar diário.

11:20
Termino a aula, paro para tomar um shake de proteína em um mercado vegano ao lado do estúdio de ginástica e busco meu filho, que sai da escola ao meio-dia.

12:45
Chego em casa com Tom e quase sempre almoçamos juntos uma comida deliciosa preparada pela Ione, minha santa e milagrosa ajuda: legumes variados, arroz integral e proteína no prato, todos os dias!

Com o filho Tom - Foto: Divulgação
Com o filho Tom – Foto: Divulgação

13:30
Meu filho tira uma soneca, o que deixa a casa silenciosa e pronta para eu começar a trabalhar. Tomo mais um café preto para segurar o dia e começo minha conexão com o mundo. Hoje, trabalhei no lançamento do filme “Todas as Canções de Amor”, e venho trabalhando na produção de um novo longa-metragem que tem previsão de filmagem para junho de 2019. Terminei minha aplicação para um curso de cinema, que começarei em breve aqui, e saí para buscar minha filha na escola.

16:00
Voltamos sempre caminhando, conversando sobre como foi o dia na escola, sobre nossas expectativas, nossos projetos na nova cidade. Hoje, por acaso, fomos ao Guggenheim ver a belíssima exposição da artista sueca Hilma af Klint.

17:30
Chegamos em casa, Tom e Ione tinham acabado de voltar do parquinho, fiz dever de casa com Dora, e as crianças jantaram resmungando de cansaço.

19:30
Nós três tomamos banho de banheira – adoro tomar banho com eles –, li um livro para os dois, e, às 20:35, capotaram de exaustão!

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

21:00
É quando consigo voltar a pensar em mim. Respondi alguns e-mails, meu marido chegou do mestrado e pedimos comida japonesa em casa. Dependendo da animação, às vezes ele cozinha para a gente, às vezes saímos para jantar com amigos. Toda semana, religiosamente, vamos ao teatro, ao cinema ou ao balé.

22:45
Deitei na cama e, na dúvida entre um livro e o computador, hoje fiquei com a segunda opção. Abri o computador para ler um roteiro novo. Consigo ler em média 25 páginas por noite, coisa que me policio para fazer.

23:50
Fechei o computador, tomei meu CBD para ajudar a desacelerar e apaguei, sonhando em dormir até o meio-dia do dia seguinte – coisa que certamente não acontecerá pelos próximos dez anos (risos)!