Foto: Raphael Briest
Foto: Raphael Briest

por Carolina Maggi

Quando Francesca Alzatt era criança, as bonecas ficavam de lado enquanto o brinquedo de montar se tornava protagonista na brincadeira.“Primeiro eu construía a casa da Barbie, e depois brincava com ela”, diz a hoje arquiteta de 49 anos. Nascida em Turim, na Itália, ela se formou pela Politécnica de Milão e sempre teve um lado artístico muito evidente. O caminho para o Brasil veio aos 23 anos, com a transferência do pai, um alto executivo da área automobilística, para o País.

Em São Paulo, cursou sua segunda graduação na Faculdade Belas Artes de São Paulo e se aperfeiçoou ainda mais em arquitetura. Nos dez anos em que trabalhou na área, passou por escritórios de grandes nomes, como Ruy Ohtake e Oscar Niemeyer. “Aprendi muito com Niemeyer, uma pessoa maravilhosa e arquiteto fantástico.”

Mas após uma década exercendo a profissão, Francesca sentiu necessidade de novos ares. Com uma proposta do marido – o empresário iraniano Kamyar Abrapour –, foi trabalhar na sua empresa de tapeçaria by Kamy e tudo mudou.“Ele me convidou para uma viagem ao Oriente e me apaixonei.Fiquei doida e percebi que a tapeçaria é arte”, conta, sobre o trabalho dos artesãos que encontrou por lá. Corta para hoje e a arquiteta virou diretora artística, responsável por tudo relacionado à imagem e identidade da marca.“Sou um pouco múltipla”, define.

Bem como seu closet. Francesca gosta de misturar blazer azul-marinho, jeans, camisa branca e mocassins com acessórios de artesanato – de preferência, brasileiros. “Tenho muitos colares de palha,de capim dourado,essas coisas misturadas.” Esse gosto pelo trabalho manual e humano se mistura com seu estilo clássico e cheio de bom gosto, digno de quem nasceu rodeada de arte e moda na Itália.“Não dá para não se influenciar com tudo aquilo”, comenta a arquiteta, que dá toque de cor e textura aos looks com lenços e xales, influência da tapeçaria em sua rotina.