Foto: Shutterstock
Foto: Shutterstock

O telefone celular já virou parte indispensável de nossas vidas. Quase impossível imaginar alguém desconectado hoje em dia. O computador também pertence à rotina de muitas pessoas. Mas o que muitos esquecem, ou talvez não saibam, é que eles podem causar danos à saúde, se usados em excesso.

“As pessoas utilizam o celular muito próximo do rosto, o que acaba forçando o músculo ciliar, que é responsável pela acomodação do cristalino. Só desta forma é possível enxergar objetos de perto. Para que este músculo relaxe, é preciso manter uma distância do objeto, fato que ocorre pouco por conta do vício de passar horas na frente das telas. Também é necessário um descanso de 15 minutos a cada uma hora e meia de utilização”, afirma Dr. Rogério Horta, oftalmologista.

Foto: Shutterstock
Foto: Shutterstock

Este comportamento tem levado a um grande aumento dos problemas de visão, não só em adultos, mas também em crianças e adolescentes, que passam horas no celular, tablet ou videogame. “Muitos pacientes tem se queixado da dificuldade de focar à distância, causado pelo espasmo de acomodação, e reclamam de visão turva. Segundo alguns estudos recentes, estas duas questões podem acabar levando a condições mais sérias”, diz o médico.

Piscar menos também é uma outra consequência para quem passa horas grudado nas telas. De acordo com Dr Rogério Horta, devemos piscar, em média, 12 vezes por minuto, mas realizamos essa atividade 7 vezes quando estamos na frente de um telefone celular ou na tela do computador. “O ser humano precisa lubrificar seus olhos constantemente ao pestanejar, caso contrário pode agravar a síndrome do olho seco, que já afeta milhões de brasileiros” – explica.

Usar o celular, tablet ou computador à noite, antes de dormir, é um hábito muito comum, mas que também prejudica a visão. “O brilho azul da tela pode afetar padrões de sono e de humor, interferindo diretamente nas atividades escolares e laborais”, enfatiza o oftalmologista.

Dr Rogério recomenda tentar não passar mais do que uma hora e meia seguida na frente de computadores, celulares e tablets; manter uma distância segura de no mínimo 40 cm da tela;  ajustar o brilho do celular para não deixá-lo tão forte, principalmente à noite, lembrar de pestanejar muitas vezes, e, claro, consultar um oftalmologista ao sentir qualquer desconforto na visão. “Em alguns casos são indicados, inclusive, o uso de colírios lubrificantes” – finaliza.

 

SERVIÇO:

Instituto Horta – Clínica Oftamológica RJ

Rua Garcia d‘Avila, 64 – Ipanema, Rio de Janeiro – RJ

Tel.: (21) 2540-8000