Trench coat de couro Louis Vuitton. Chapéu de seu acervo pessoal - Foto: Peter Lindbergh/divulgação
Trench coat de couro Louis Vuitton. Chapéu de seu acervo pessoal – Foto: Peter Lindbergh/divulgação

Por Erica Wagner

Tirando umas férias do título de estrela de cinema, Michelle Williams trabalha duro para interpretar uma das personagens mais icônicas da dramaturgia inglesa, Sally Bowles, no musical Cabaret, de John Kander e Fred Ebb. O espetáculo, criado durante o período da república de Weimar, em Berlim, é uma adaptação da obra do novelista inglês Christopher Isherwood. Dirigido por Sam Mendes e Rob Marshall, é um revival contemporâneo da produção de 1998 da dupla, que lhes rendeu, à época, um prêmio Tony. Williams transforma a personagem em uma garota desamparada, egoísta e com âmago de aço.

Michelle Williams veste casaco; brincos e bracelete de ouro branco e diamantes, tudo Louis Vuitton - Foto: Peter Lindbergh/divulgação
Michelle Williams veste casaco; brincos e bracelete de ouro branco e diamantes, tudo Louis Vuitton – Foto: Peter Lindbergh/divulgação

Talvez ainda mais impressionante seja a voz que ressoa por todo o teatro quando ela traz ao palco, em seus números, canções como Don’t Tell Mama, Mein Herr e uma reedição de tirar o fôlego de Maybe This Time. Foram as sequências de dança e canto no filme Marilyn, dirigido em 2011 por Simon Curtis, que mostraram que Williams era capaz de protagonizar um musical de imobilizar a plateia.

Passemos a  projeto que a envolve: sua segunda temporada como rosto da Louis Vuitton. Como todos os seus papéis, este apareceu como uma interessante oportunidade, pelo fato de a moda não ter sido seu foco desde sempre (embora o vestido de chiffon amarelo de Vera Wang, vestido por ela no Oscar em 2006, seja sempre relembrado como um dos looks mais arrebatadores que passaram pelo tapete vermelho nos últimos anos).

Trench coat Louis Vuitton - Foto: Peter Lindbergh/divulgação
Trench coat Louis Vuitton – Foto: Peter Lindbergh/divulgação

Da parceria com Vuitton, diz, sorridente: “Eles, definitivamente, fazem bolsas deslumbrantes. Há muita tradição e detalhe no trabalho da companhia, e isso é colocado também na esfera artística. Freddie Winckler, diretor global de Comunicação e Eventos da Louis Vuitton, e o responsável por recrutar Michelle Williams para embaixatriz da marca, elogia: “Ela é alguém que já interpretou e passou por papéis muito difíceis na vida e, mesmo assim, ainda carrega consigo certa fragilidade.

O que se sabe é que torce para que Cabaret permaneça em cartaz por uma longa temporada, o que garante a possibilidade de levar uma vida estável com a filha pelos arredores do Brooklyn. Na realidade, o desejo pela rotina sempre permeou suas escolhas profissionais. Ela adora o que faz, claro, “mas, quando se tem um filho, sua vida se torna tão rica e completa, de forma natural, que seu trabalho, em grande parte, acaba sendo feito também para sustentar esse estilo”. E o que ela mais ama nesta vida caseira? “Ah, as coisas triviais. O amor de mãe é algo tão simples. Momentos normais, como o café da manhã, o banho… gosto de minha vida pessoal.