Foto: Imagem da série Abstract Portraits, da fotógrafa Roxana Enache, com direção de arte de Radu Popescu
Foto: Imagem da série Abstract Portraits, da fotógrafa Roxana Enache, com direção de arte de Radu Popescu

Por Luciana Franca

Preencher a ficha de check-in de hotel com uma única profissão não faz mais sentido para muita gente. Para viver com mais propósito e produzir com paixão, as pessoas estão cada vez mais plurais, descobrindo e exercendo talentos que, até recentemente, não se permitiam. Ou não enxergavam em si. “A carreira é o cenário no qual a gente mais encontra oportunidades para atender as nossas aspirações.As pessoas me procuram no momento em que há um incômodo muito grande no trabalho atual e querem buscar ou saciar sua forma existencial”, conta Ana Raia, da Raia Coaching.“Elas querem respostas para perguntas como ‘Quem sou eu neste mundo?’; ‘Por que faço o que faço?’; ‘Por que faço o que não gosto?’; e ‘Qual é o meu propósito?’”, continua.

A busca por um coach, profissional que vai ajudar nesse momento de transição, acontece, na maioria das vezes, em meio a uma crise pessoal.Ao contrário do que muita gente imagina, a crise financeira, no geral, desencoraja as pessoas a se lançarem em novos projetos e acaba sendo um obstáculo.“Por causa da crise econômica,as pessoas que estão empregadas,mas insatisfeitas, pensam:‘O mercado está tão ruim… será que eu não deveria aguentar mais um pouco?’. E as desempregadas acham que devem abdicar de buscar algo que realmente amem pois, em tempos de crise, qualquer emprego está valendo”, diz a coach Paula Braga, da Ikigai. Mas há outros empecilhos ao longo da vida que acabam retardando a busca por seu propósito: o financiamento do apartamento, a espera pela licença-maternidade, o marido que está mal no emprego… “Sempre vai haver motivos pelos quais você não ‘pode’ buscar algo novo. Cabe a você ir em frente ainda assim. Pois, afinal, quando se está infeliz na carreira, se está infeliz. Simples assim”, afirma Paula.

“Costumo ressignificar a palavra talento. É algo que você faz com naturalidade, sem se esforçar, é uma marca que você deixa. Todos nós temos.Precisamos entender quais são e nos apropriar deles”, diz Ana Raia. Mas nem todo mundo é capaz de identificar seu próprio potencial.“Um grande exercício que propomos em nossos programas de empreendedorismo é de se olhar,de se perceber… Fazemos vários exercícios de autoconhecimento, e isso é que nem ir para a academia, é preciso prática”, orienta Eduardo Seidenthal, fundador e membro da Rede Ubuntu. Meditação, exercícios de respiração, atividades que tragam bem-estar são alguns dos caminhos para se conhecer melhor.“Por falta de consciência, com uma mente lotada de informações, a pessoa fica ansiosa e sem entender o que está acontecendo. Então, acaba tomando decisões rápidas, aceleradas”, explica Ana, que levanta a bandeira da JOMO – The Joy of Missing Out, ou seja, a felicidade de estar perdendo alguma coisa. Dê uma olhada, por exemplo, em seu Instagram: quantos perfis você segue? Mais de mil? Se olhar com critério,verá que tem muita coisa que não interessa de verdade, que está apenas lotando sua mente com informações que não acrescentarão em nada na tentativa de se conhecer melhor. Esse é só um exemplo de como perdemos tempo e foco em nós mesmas.

Para quem não consegue perceber seus próprios talentos, Paula dá a dica de perguntar às pessoas a seu redor.“Muitas vezes, acabamos desenvolvendo visões deturpadas de nós mesmas, o que impede que enxerguemos o que temos de melhor. Da mesma forma que não conseguimos enxergar a ponta de nosso nariz, apesar de estar ‘na cara’. Portanto, uma pessoa de fora – amigo, coach, psicólogo – pode ajudar nesse processo”, explica ela. Outra maneira de detectar suas habilidades é notar que tipo de coisa você ama fazer.“Em que você perde a noção do tempo fazendo? O que gosta tanto de fazer que faria até de graça? Torne-se curiosa a respeito de você mesma. Buscar algo que te inspire é sempre um bom começo. Daí, é só correr atrás e se capacitar”, completa Paula.

Iniciar uma nova atividade também requer paciência e persistência. A sociedade é imediatista, e o indivíduo se esquece do processo.As pessoas desejam fazer transição de carreira e querem obter sucesso rapidamente.“Trabalhar sintonizado com seu propósito é condição fundamental. É isso que ajuda quando você erra (pois você vai errar!), para persistir, ter a flexibilidade de mudar, pois mudanças certamente ocorrerão. Neste mundo caótico, é muito importante ter uma bússola. Por isso, propósito é tão fundamental”, reforça Eduardo.

Como coachee de Ana Raia ,Veridiana Maluf Nahas trocou a bem-sucedida carreira numa administradora de condomínios pelo amor à cozinha.“Ana me ajudou a tomar decisões por meio de conversas, lições de casa e outras ferramentas, com mais embasamento e menos ansiedade. Para mim, foi uma etapa importante e essencial para a criação da Genoveva Doces”, conta ela.

Uma vez descobertos seus talentos, é preciso manter-se presente no trabalho que está sendo executado. Ser uma pessoa múltipla e entender sua diversidade como ser humano não significa fazer tudo ao mesmo tempo agora, como, muitas vezes, parece ser valorizado pela sociedade.“Temos de focar em uma atividade de cada vez. Caso contrário, você não trará o seu melhor e isso gerará ansiedade”, adverte Ana. Então, pegue essas dicas, desenvolva e mostre ao mundo seus talentos – e enumere todas as suas facetas na próxima ficha de hotel.

Salvar

Salvar

Salvar