Por Sylvain Justum

Se verão lembra mar, a Ellus trata logo de mergulhar em suas profundezas para a construção de uma coleção sombria e tecnológica, na qual navegam texturas e prints submarinos, a serviço de looks comerciais cheios de brilho. Ele vem do efeito plastificado, molhado e metalizado da maioria das entradas, que ganham silhueta inspirada nas roupas de mergulho, alternada com shapes mais amplos e esportivos.

O vídeo do fotógrafo Jacques Dequeker projetado na boca de cena dava a pista: os tubarões estariam na ordem do dia. E os angulos, recortes e assimetrias vistos nas roupas beberam da fonte, transformando a anatomia do temido peixe em coletes, blazers e jaquetas de modelagem híbrida. O paletó de smoking, com pala e tudo, tinha pinta de bomber, com elástico na barra, quando visto de costas. Idem para os coletes, de modelagem solta, quase masculina.

Folgadas também são as calças, de gancho baixo e comprimento nas canelas, tingidas de estampas do fundo do mar digitalizadas. Peças-chave: short jogging – sempre ele -, saias lápis e peplum de todos os tamanhos. O denim, em sua forma natural ou em versão leather aparece, sim, mas de forma mais contida. A cartela fica mais pesada à medida em que avançamos nas profundidade. Começa clarinha, em brancos e prateados, passa pelos azuis marinhos e petróleo, até chegar no preto, já quase com ares fetichistas e rockers.

O melhor look: O total print subaquático de Fabiana Mayer,composto de colete de cetim duchesse e calça folgada e pregueada de cetim

O acessório: ficamos em dúvida entre o mega colar de pedrarias e o maxi anel metalizado, que lembra dentes de tubarão. Ficamos com o glamour do primeiro, finalmente.