Por Sylvain Justum

Austeridade pode, sim, rimar com sensualidade. Prova é o inverno da grife Barbara Bela, que tem nos tops comportados e na saia-lápis suas pièces de resistance. A soma da estação mais fria com a sisudez nas formas poderia sugerir uma coleção sem vida, enfadonha, até, mas a bela cartela escolhida pelas mineiras e a elegância dos anos 40 provam o contrário.

Silhueta seca, portanto, com saias pelo joelho e blusas estruturadas, de mangas curtas e gola careca. Cintura marcada e escarpins de desenho clássico nos pés. Uma ideia que se repete sem, no entanto, ficar boring.

O que faz a diferença são as cores, pinceladas na estampa artsy do primeiro bloco ou em resquícios de colorblocking que juntam verde-água com rosa ou roxo com amarelo, por exemplo. Combinações nada óbvias que rejuvenescem a proposta da grife.

Não poderiam faltar seus bordados tão característicos. Eles decoram com cristais franjados sobretudo a segunda parte do desfile, quando a cartela caminha para brancos bem leves, até chegar nas transparências em gazar do final. Além dos vestidos inteiros cobertos de brilho, acendem-se barrados e punhos, como no bom look de calça seca amarela com top e casaqueto off-white. 

MELHOR LOOK: Top verde-água em gazar com “colar” bordado e saia-lápis de cintura alta rosa

TRILHA: Edith Piaf, perfeita para o clima de glamour retrô

ACESSÓRIO: Escarpins coloridos, provando que o colorblocking ainda vive