Foto: Reprodução/Instagram/@brunalombardioficial

Atriz, escritora, produtora, apresentadora e roteirista brasileira, Bruna Lombardi continua sendo um ícone da beleza aos 67 anos. A artista que já estrelou diferentes filmes, novelas e minisséries, alguns, até mesmo, escritos por ela, segue em constante atividade e dando um exemplo do viver bem em suas redes sociais. Bruna exala bem-estar e vivacidade sem precisar forçar.

O estilo de Bruna Lombardi

Não é preciso muito para associar a imagem de Bruna com a natureza. Em suas composições, leves tons de azul, verde e branco costumam ganhar destaque de maneira harmônica com os fios loiros e os olhos azuis marcantes. Bastante adepta às transparências, a atriz consegue trazê-las para o seu visual de forma sútil e ao mesmo tempo quase magnética. Por que? Ao mesmo tempo em que elas não vêm carregadas com uma sensualidade intencional exagerada, as peças são delicadas e, muitas vezes, florais, o que contribui para trazer esta característica ao resultado final.

estilo da Bruna Lombardi
Foto: Reprodução/Instagram/@brunalombardioficial

Além das vestimentas em tule (que ajudam a proporcionar a transparência desejada para que a lingerie fique visível), a atriz também é sempre vista usando batas, vestido poá e slip dress – essas duas últimas são tendências cíclicas que estão muito em alta nesta temporada.

estilo da Bruna Lombardi
Foto: Reprodução/Instagram/@brunalombardioficial

Quando se tratam dos acessórios, Bruna prefere apostar nos chapéus e os exibe com frequência em posts em seu Instagram. Para compor com eles, ela opta por camisas de linho, animal print, florais e bastante cor.

estilo da Bruna Lombardi
Foto: Reprodução/Instagram/@brunalombardioficial

Há vaidade, mas, sobretudo, há essência e verdade. Aos 67 anos, a atriz não deixou de ser a menina que chamava a atenção de qualquer um por conta de sua beleza descomunal, mas as décadas também mostram que esse magnetismo todo não está relacionado apenas a uma questão tradicional estética e, talvez, com uma conectividade que beira um certo misticismo com ninguém mais do que ela mesma.

Parece enigmático porque, diferentemente do gênero masculino, é difícil aceitar que uma mulher possa continuar vivendo a flor da idade depois de sair dos 30 e poucos anos.