Fotos: Getty Images

O movimento Art Brüt causou furor nos anos 1940 na França, com a proposta de reunir obras assinadas por artistas autodidatas – grupo formado por pessoas comuns, crianças e até pacientes psiquiátricos. O objetivo, defendido por seus criadores, era eliminar o estigma seletivo das artes e valorizar suas manifestações “brutas”. E é este período histórico que Cédric Charlier pesquisa para criar sua coleção de inverno 2014, apresentada nesta terça-feira (26.02), na semana de moda de Paris.

Na passarela o resultado é traduzido, por exemplo, nos prints: alguns vestidos têm rabiscos que parecem aleatórios. Os shapes também denunciam a inspiração de Charlier, com sua discreta assimetria na blusa mais curta na frente e comprida atrás, ou nas mangas levemente bufantes. São como jovens artistas com receio de exagerar nas suas primeiras criações.

O designer também segue com sua paixão pelas cores flúo – que já apareciam na sua coleção de verão 2013. Os destaques da vez são o amarelo ácido e o pink. Entre os highlights, shapes minimalistas nos tops, calças cigarretes, maxicasacos e deliciosos tubinhos, de comprimentos que oscilam entre o comportado, pelos joelhos, e o micro abusadíssimo. Clique na nossa galeria para ver looks e acessórios selecionados da passarela: