Campanha de verão 2013 da Chanel, fotografada por Karl Lagerfeld em ambiente tradicional japonês - Foto: Reprodução/ Harper's Bazaar
Campanha de verão 2013 da Chanel, fotografada por Karl Lagerfeld em ambiente tradicional japonês – Foto: Reprodução/ Harper’s Bazaar

Por Vívian Sotocórno

Oriente sempre foi uma fascinante fonte de inspiração para a moda. Dos casacos-quimonos, que fizeram o nome de Paul Poiret no início do século passado, ao inesquecível show de gueixas e dobraduras criado por John Galliano para a Dior Couture nos anos 2000, a tendência, de tempos em tempos, reaparece no prolixo imaginário fashion. Reconhecida por sua estética elegante, a terra do sol nascente volta à pauta nesta temporada. Símbolos do estilo oriental, como mangas quimono, tecidos luxuosos, bordados e florais típicos ganharam reinterpretrações em diversas passarelas da estação.

Da esquerda para a direita: Andrea Marques, inverno 2013; Emilio Pucci, vernao 2013; Hermès, verão 2013 - Fotos: Reprodução/ Harper's Bazaar
Da esquerda para a direita: Andrea Marques, inverno 2013; Emilio Pucci, vernao 2013; Hermès, verão 2013 – Fotos: Reprodução/ Harper’s Bazaar

Uma das direções mais importantes deste inverno, o novo orientalismo é traduzido de maneira mais fresca em modelagens e silhuetas com inspiração nipônica do que em estampas decorativistas. Pode-se dizer que a estética acompanha a recente guinada minimalista. E, se até a Prada e a Chanel aderiram, por que resistir? Para seu verão 2013, a marca italiana usou o Oriente como ponto de partida da coleção que mescla a tendência a referências dos anos 1960 e 1990, com resultado sexy, num look levemente perturbador. Já a Chanel, que fez um desfile mais 60’s, evoca o tema com mais força em sua campanha. Mesmo sem claras referências orientais nas roupas, ela foi fotografada em um quarto de tatames, com as modelos deitadas sobre camas de gueixas. Aliviar a literalidade, portanto, é a maneira mais atual de incorporar o sopro oriental. Referências sutis, mescladas a peças de alma ocidental, garantem o melhor resultado.

Da esquerda para a direita: Mulberry, verão 2013; Herchcovitch, inverno 2013; Haider Ackermann, vernao 2013 - Foto: Reprodução/ Harper's Bazaar
Da esquerda para a direita: Mulberry, verão 2013; Herchcovitch, inverno 2013; Haider Ackermann, vernao 2013 – Foto: Reprodução/ Harper’s Bazaar

Inspire-se no verão 2013 de Haider Ackermann e aposte em cortes de alfaiate que lembrem o quimono tradicional. Com decotes profundos e cinturas marcadas, a peça é atualizada com comprimento de blusa, sobreposições de camadas e ausência de mangas. O quimono também inspira a Mulberry, que relê a peça em casacos decorados com o floral oriental, desenho originalmente inspirado na flor de laranjeira, símbolo do Japão. No verão 2013 da marca inglesa, a sakura passeia por boa parte da coleção, tingindo desde bolsas até biker jackets de couro, provando que esse tipo de estampa nem sempre é sinônimo de calças pijama – apesar de elas também estarem (bem) representadas na coleção.

O casaco Prada de tecido luxuoso e tom delicado conversa com a nova estética oriental, que foca principalmente nas formas - Foto: Reprodução/ Harper's Bazaar
O casaco Prada de tecido luxuoso e tom delicado conversa com a nova estética oriental, que foca principalmente nas formas – Foto: Reprodução/ Harper’s Bazaar

As versões brasileiras são mais fáceis de adaptar para o dia a dia. O flerte com o folk da Herchcovitch e o japonismo cool de Andrea Marques criam leituras semelhantes do quimono, com ombros e decotes arredondados e minicomprimentos – em looks que devem migrar, na íntegra, das passarelas ao closet. Para completar, não subestime o poder do obi.A faixa utilizada para marcar a cintura conversa com o atual ladylike, de feminilidade delicada e atitude forte.

Assine a Harper’s Bazaar