Foto: Agência Fotosite
Foto: Agência Fotosite

Por Luigi Torre

Foi a partir de uma viagem à tribo indígena Mutum, do Acre, que Alberto Hiar começou a pensar no verão 2016 de sua Cavalera. De lá, após ritual espiritual Vekushi, trouxe cores, grafismos, bordados, patches e texturas que se combinam ao jeanswear urbano da marca, em peças de alfaiataria desestruturadas e túnicas esvoaçantes de seda.

A Cavalera sempre foi expert em adaptar qualquer tema à moda urbana que sabe fazer tão bem. Desta vez, o faz com elementos essencialmente brasileiros. Mas não para aí. A temática serve ainda de ensejo para rico trabalho com tecidos e acabamentos manuais que a marca vem explorando há algumas coleções.

Também funciona com link para todo um movimento influente da cultura pop atual, na busca por espiritualidade extra, como fuga ou remédio para a vida tal qual a conhecemos nos tempos de hoje.

Clique em nossa galeria para ver looks selecionados da passarela da grife, em desfile apresentado nesta segunda-feira (13.04), na semana de moda de São Paulo: