Amarrações e tons acesos no pre-fall da Wymann
Amarrações e tons acesos no pre-fall da Wymann

Por Ligia Carvalhosa

Ela trocou a Suíça pelo Brasil, se apaixonou pelo Rio de Janeiro, escolheu a cidade como casa e lançou lá a Wymann. Hoje, dois anos depois da criação da marca, Raquel Alvarez se desapega do sotaque carioca e segue rumo a Nova York, primeira parada internacional de sua label. A partir deste mês, a grife passa a ser vendida na The Rising States, loja dedicada a novos estilistas, no East Village. “O Brasil define muito a estética das minhas peças e é justamente a combinação de cores e estampas que tem chamado a atenção dos compradores americanos”, conta ela, sobre o gingado de suas roupas confortáveis e femininas, repletas de recortes e amarrações.

Viajante por natureza, agora Raquel divide seu tempo entre os dois hemisférios. Em Manhattan, trabalha com a apresentação da marca a compradores de multimarcas do mundo todo e acompanha o marido, o diretor criativo Filipe Raposo, na idealização de seu restaurante em parceria com o ator Luca Bianchi. No Rio, é onde ela encontra tempo para criar e produzir suas coleções. A mais recente, aliás, o pré-inverno 2016, introduz tricô, cashmere e alfaiataria de moletom no repertório – novidades que prometem agradar também além das fronteiras nacionais.