Alexandre Vauthier - Foto: Divulgação
Alexandre Vauthier – Foto: Divulgação

Era 1980 quando Ronald Reagan, o ex-ator eleito presidente, inaugurava, junto com a mulher, Nancy, uma era de glamour na Casa Branca, enquanto Ivana Trump, ex do atual presidente Donald Trump, encarnava o imaginário de “Dallas”, a série que entrou para a história como a mais fiel tradução dos excessos estéticos da década, tanto no dia a dia quanto nas festas que organizava.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Do outro lado do Atlântico, Karl Lagerfeld ressuscitava a minissaia. Estava montado o cenário para o visual extravagante que marcou principalmente os looks de noite e invadiu as boates na segunda metade da década. É nesse embalo que retornam os vestidos curtíssimos, feitos de tecidos elaborados e com detalhes teatrais. Impactante, o minivestido que chega nas coleções verão e pre-fall 2019 tem sido gestado nos últimos três anos.

Saint Laurent - Foto: Divulgação
Saint Laurent – Foto: Divulgação

Foi Hedi Slimane, ainda nos tempos de Saint Laurent, quem resgatou o comprimento, enxertou fendas, laços gigantes, decotes profundos e assimetrias. Para finalizar, meias arrastão quase sempre detonadas, criando a imagem da jet-setter que pode ser bad girl, mas não perde a elegância jamais.

Um ano depois dessa investida, para o inverno 2016 ele chegou às peças com ombros ora destacados com ombreiras imensas, ora com geometrias afiadas. Ao atualizar sucessos indiscutíveis, que a marca emplacou principalmente na segunda metade da década de 1980, Slimane homenageou o genial Yves Saint Laurent. Foi, também, sua coleção de despedida.

Celine - Foto: Divulgação
Celine – Foto: Divulgação

Como um assunto inacabado, é essa última coleção que faz ponte direta com sua polêmica estreia na Celine, em setembro, durante a semana de moda parisiense. Agora, o babado vertical veio mais dramático, um laço quase do mesmo comprimento do minidress abriu o desfile, ombreiras e mangas oscilaram entre geometria rígida e formato balão, deixando mais poderosa a silhueta de modelos bastante jovens. O intuito? Capturar a atenção das garotas da Geração Z.

E Slimane, definitivamente, não está sozinho. “Percebemos que a consumidora millennial vem buscando um jeito mais acessível de embarcar na tendência do maximalismo”, explica a WGSN Expert Mariana Santiloni. Segundo ela, o retorno da visão clássica do power-dressing oitentista desde sempre anunciou a volta com força dos minivestidos extravagantes.

As passarelas mostram que a “profecia” virou realidade cativante. “Já durante os desfiles de resort 2019, os minivestidos tiveram um aumento de 9%, indo de 23% para 25% do total de mix de vestidos”, quantifica.

A peça continuou forte na Saint Laurent sob a batuta de Anthony Vaccarello, que também ama a década de 1980 e uniu seu gosto às silhuetas poderosas criadas por Yves. Outros mestres dessa fase, como Claude Montana, Emanuel Ungaro e Thierry Mugler, inspiram estilistas que não abrem mão de uma imagem sexy.

Alexandre Vauthier - Foto: Divulgação
Alexandre Vauthier – Foto: Divulgação

É o caso de Alexandre Vauthier, que também vem contribuindo fortemente para a evolução desse minivestido imponente desde a alta-costura verão de 2018, que veio embalada numa atmosfera disco.

Balmain - Foto: Divulgação
Balmain – Foto: Divulgação

Mais ou menos na mesma época em que Olivier Rousteing deu pegada bold a seus minivestidos colados ao corpo, reforçando ainda mais o mood edgy, glamoroso e arrebatador da Balmain. As coleções da próxima estação do sol, dos três, vêm repletas de volumes tridimensionais que exigem, sem barganha, um salto stiletto à altura.

Leia mais:
All white: cor é a pedida em todas as estações do ano
Sobreposição de alfaiataria e texturas é estratégia ousar
Fergie: cinco dicas de estilo da cantora americana