Trabalho de Elsa Peretti para Tiffany & Co. desembarca no Brasil
Elsa Peretti com sua fiel companheira Hilda – Foto: Divulgação

Curvas orgânicas, sensualidade, volumes audaciosos e leveza… Essas são algumas das definições mais usadas quando o assunto são as criações da joalheira Elsa Peretti (1940-2021), à frente da Tiffany & Co. por quase cinco décadas. Não é para menos. Falecida há dois meses, aos 80 anos, a designer italiana com coração de artista deixa um legado imensurável para a joalheria moderna. Tudo começou quando a joalheira, nascida em uma família tradicional de Florença, muda-se para Nova York no final dos anos 1960 para trabalhar como modelo.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Habituée do Studio 54 de Andy Warhol, ela frequentava os círculos artísticos e intelectuais da época. Após posar para as lentes de Helmut Newton, Elsa, desde sempre apaixonada por joias, começou a chamar a atenção de designers e estilistas na fervilhante Big Apple da época. O motivo desse burburinho não era pela sua beleza e fotogenia naturais, mas os croquis de suas joias modernas e originais. Logo de cara, os estilistas Giorgio di Sant’Angelo e Halston caíram de amores por suas peças.

Não demorou muito para que, em 1974, a marca quase bicentenária Tiffany & Co. a procurasse para lhe propor um contrato exclusivo. “Elsa era uma mestra artesã que explorava a natureza com a perspicácia de uma cientista, a visão de uma escultora e o coração de uma artista. Ou seja, além de revolucionar o design das joias por si só, ela também trouxe para a marca as emoções e necessidades diárias e verdadeiras de uma mulher”, conta à Bazaar Max Suffriti, diretor geral da Tiffany & Co no Brasil.

Trabalho de Elsa Peretti para Tiffany & Co. desembarca no Brasil
Retrato de Elsa Peretti – Foto: Divulgação

Tanto que, a partir daí, começou um longo namoro de cinco décadas, cercado de prêmios, de reconhecimento internacional e da criação de peças ícones, adotadas por celebridades e por mulheres reais. “As joias da Tiffany sempre ganharam prêmios em feiras importantes ao redor do mundo pelo seu esplendor, além de estarem expostas em museus ao redor do mundo”, explica Max. O British Museum, em Londres, o Metropolitan Museum of Art, em Nova York, o Museum of Fine Arts, em Boston, e o Museum of Fine Arts em Houston, no Texas, acolhem há décadas as criações mais importantes de Elsa.

Mas de onde vinha esse dom para entender exatamente o que as mulheres desejavam em termos de acessórios? A designer tinha, antes de tudo, o poder de democratizar a joia, fazendo com que, por exemplo, o diamante fosse acessível a um grande número de mulheres, além de tornar a prata um objeto nobre, de desejo.

Trabalho de Elsa Peretti para Tiffany & Co. desembarca no Brasil
Esboços da criação
da icônica Bone
Cuff – Foto: Divulgação

O colar Diamonds by the Yard, elaborado em prata e diamantes em intervalos regulares, dava a impressão de uma chuva de pedras. Pela primeira vez, era possível comprar um ou vários desses colares, em diferentes comprimentos, com mais ou menos diamantes. O clássico bracelete Bone Cuff, que abraça o punho como se fizesse parte dele, pode ser usado sozinho ou em dupla. Elaborado em prata polida, em vez do tradicional ouro, ele virou sinônimo de modernidade e de estilo.

Como dizia Elsa, “o estilo deve ser simples”. Essa simplicidade deu frutos. Em 1996, ela ganhou o prêmio de joalheira do ano do prestigioso Council of Fashion design of America (CFDA). Mas Elsa não criou somente joias. Suas coleções também incluíam objetos para casa em porcelana, cristal e prata, além de perfumes, relógios e joias para homens. Uma de suas peças mais icônicas em joalheria, o coração vazado Open Heart, inspirado no artista Henry Moore (1898- 1986), foi transformado em caixa de decoração para casa, entre tantas outras criações.

E para celebrar a vida e obra dessa grande personalidade da moda, a marca criou um trunk show intitulado “Elsa Peretti”, um projeto em que as joias viajam por tempo determinado entre as cidades nas quais a Tiffany possui lojas no Brasil (São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Curitiba). A grande novidade é que a maioria delas não existe normalmente no País. Mais do que joias, as peças apresentadas são verdadeiras obras de arte.

“A escolha contempla os ícones das criações da Elsa, com novas adições. A coleção apresenta clássicos como a Bone Cuff com detalhes em pedra obsidiana floco de neve. É a primeira vez que essa pedra vem para o Brasil pela Tiffany”, explica Max. A coleção é itinerante e irá rodar as lojas no País até o fim do ano. E o melhor, elas estão à venda.

Pensando no futuro da marca, que acabou de ser adquirida pelo conglomerado francês LVMH, fica a questão. Qual designer poderia ocupar o lugar de Elsa na maison? “Uma figura como a Elsa é insubstituível, mas a marca está sempre em busca de grandes oportunidades e inovações. Com certeza, boas notícias estão por vir”, garante o diretor da Tiffany&Co no Brasil. “Mas o mais importante é que Elsa deixou um legado incomparável, com designs atemporais e vanguardistas. Poucos designers conseguem manter o seu estilo e beleza por décadas, e as joias criadas por ela são tão modernas hoje quando de sua criação”, afirma Max. Uma bela homenagem e o adeus da marca à sua musa, uma das designers mais importantes do último século. Grazie mille per tutto, cara Elsa.