Foto: Reprodução

A Criolipólise – nome em português do CoolSculpting – congela e destrói as células de gordura e é a última febre nos consultórios dermatológicos. Segundo Luciana Lourenço, o resultado é animador: “Em apenas uma sessão, cerca de 25% das células de gordura são eliminadas.” E mais: as chances de ter acúmulo novamente no mesmo local são pequenas.

O CoolSculpting é indicado para quem está em forma, mas tem aquela gordura localizada que não sai por nada. O aparelho baixa a temperatura da região a ser tratada entre 2 e 4 graus, sem anestesia ou agulhas. A sensação é de pele formigando durante a sessão, que dura cerca de uma hora. A sensibilidade passa em alguns dias e os resultados aparecem em dois meses.

O tratamento requer apenas uma sessão (R$ 3 mil, em média), mas não funciona em todas as mulheres. “A região precisa estar maleável para que a ponteira atraia a gordura localizada e consiga congelar as células”, afirma Giovanna Prado, fisioterapeuta do Espaço Nuno Osório, em São Paulo. “Uma opção é fazer, antes, algumas sessões de VelaShape, que possui infravermelho e radiofrequência, para preparar a pele e a gordura da região”, diz.

Outra novidade pouco invasiva é a Drenagem Lipossônica Ativa (DLA). Desenvolvida pela Clínica Stesis, em São Paulo, combina o ultrassom tridimensional Heccus e um gel com ativos termogênicos para quebrar a gordura, que depois é metabolizada e eliminada pelo organismo. Segundo o fisioterapeuta Dino Aurélio Volpes, responsável pelo procedimento, já na primeira sessão é possível ver redução das medidas.

“Recomendamos que a paciente não consuma carboidratos nas 48 horas seguintes”, afirma. “Assim, a gordura liberada no organismo será gasta nas atividades diárias”, explica. Cada sessão custa cerca de R$ 400 e são indicadas, em média, três sessões.

Assine a Harper’s Bazaar