Foto: Divulgação
Uma das participantes do The Biggest Loser Foto: Divulgação

Você já deve ter acompanhado essa história: uma pessoa faz uma dieta rigorosa, emagrece muitos quilos mas, depois de algum tempo, recupera tudo aquilo que havia perdido. Muitos diriam que é falta de disciplina, mas a medicina acredita que é uma resposta natural do corpo.

Um estudo desenvolvido por Kevin Hall, cientista do centro federal de pesquisas dos Estados Unidos, acompanhou durante seis anos os participantes do reality show The Biggest Loser ( no Brasil, o Grande Perdedor) para constatar que, devido à desaceleração do metabolismo de repouso, o corpo tende a ganhar peso novamente. Prova disso é que entre os 14 competidores que foram estudados, 13 recuperaram as medidas. “Para mim era um fato que isso iria acontecer, mas foi algo que chocou as pessoas. O corpo se adapta à nova realidade e aumenta a vontade de comer e diminui o metabolismo para retornar ao peso original”, comenta a franco-brasileira Sophie Deram, especialista em comportamento alimentar e doutora em Endocrinologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e autora do best-seller O peso das dietas (Editora Sensus).

Sophie Deram - Foto: Divulgação
Sophie Deram – Foto: Divulgação

“Fazer dieta não funciona. Recentemente, li em uma pesquisa que 90% das pessoas que fazem dietas restritivas tendem a engordar com o passar dos anos. Inclusive, ganham mais peso. Venho dizendo isso há 30 anos”, conta a estudiosa à Bazaar. Segundo ela, dietas muito restritivas traumatizam o organismo, que, como resposta, tende a diminuir a queima calórica.

Deram não está sozinha nessa linha de pensamento. A americana Charlotte Markey, que atua na área da psicologia alimentar, aconselha a conscientização e a personificação dos métodos, levando em consideração a saúde e lifestyle de cada pessoa. ” Você personaliza sua ‘dieta’ de acordo com seu estilo de vida ao invés de tentar mudar sua maneira de ser para se ajustar à dieta”, diz ela em seu livro Gente Esperta Não Faz Dieta (Editora Best Seller). “Se seguir meus conselhos, é pouco provável que você coma batata frita e bolo em todas as refeições. Contudo, ‘será permitido’ comer batata frita e bolo”, acrescenta.

O Grande Perdedor - Foto: Divulgação
O Grande Perdedor – Foto: Divulgação

Como perder peso, então? Segundo esta linha de pensamento, parte central do processo é fazer as pazes com a comida. “A relação com os alimentos é algo para se preocupar. Muitas vezes você acaba comendo mais por culpa. O importante é comer de maneira consciente, identificar a fome e não usar a comida como recompensa”, diz Deram. “Quando alguém acredita que precisa limitar a quantidade ou a variedade do que come, geralmente só quer aquilo que foi proibido — e quanto mais, melhor”, diz Markey sobre a psicologia falha das dietas restritivas.

Segundo Sophie, existem apenas três dicas básicas para viver uma vida mais saudável: não faça dieta, coma alimentos de verdade (não industrializados) e cozinhe sempre que possível. A estudiosa ressalta que cozinhar em casa é não só uma das maneiras de prevenir doenças cardiovasculares, mas também um jeito de garantir escolhas mais sábias na hora de sair para comer, já que a tendência entre aqueles que fazem as próprias refeições é optar por restaurantes mais saudáveis e deixar  junk foods de lado. “Precisei de um Phd para as pessoas começarem a escutar que é necessário voltar a comer como os nossos avós”, brinca a estudiosa francesa.
Leia mais: O spray do amor: inalar oxitocina é a nova arma contra a balança

Sobre os exercícios, Sophie e Charlotte são categóricas: escolha uma atividade que goste, e que seja facilmente integrada ao seu dia-a-dia. “Não importa se você caminha, corre, faz musculação ou pedala uma bicicleta ergométrica. O importante é começar a fazer exercícios que considera agradáveis” afirma a escritora americana.

Como dica final para quem quer perder peso e viver uma vida mais saudável, Sophie ressalta: ” É necessário reorganizar suas crenças e, principalmente, voltar a acreditar em você – reconhecer as suas necessidades físicas.” Anotado? Leia mais:

Detox para os fortes: a lavagem intestinal e seus benefícios