Estigmatizada como ídolo teen por mais de uma década, Manu Gavassi deixou para trás o epítome da adolescência e, aos 27 anos, se tornou sinônimo de feminismo, igualdade, respeito e sororidade, entre outros adjetivos.

Fatores que ilibaram sua imagem na 20ª edição do Big Brother Brasil e transformaram uma incerteza de futuro na “melhor coisa” que já lhe aconteceu. “Grande chance de mudança, de amadurecimento, de fazer as pessoas entenderem quem eu sou, onde quero chegar, do que sou capaz. Isso foi muito precioso”, conta à Bazaar.

Foto: Fernando Tomaz, com direção criativa de Thiago Bastista, styling de Carol Roquuete, beleza de Krisna Carvalho, digital Retouch de Chico Duarte e produção executiva de Bruno Uchôa

Ela, que já era famosa por sua música, ganhou uma segunda chance perante o público ao aparecer – sem filtros e com direito a pay-per-view – durante três meses ininterruptos na televisão, saindo da casa mais vigiada do País na terceira colocação.

Aperte o play e escute na íntegra ao bate-papo com o editor de cultura André Aloi.