Frida Giannini - Foto: Getty Images
Frida Giannini – Foto: Getty Images

Em depoimento a Christine Whitney

6:30
Não costumo  dormir muito, geralmente, cinco ou seis horas por noite são suficientes. No entanto, minha filha, Greta, de 1 ano, dorme por volta de doze horas, por isso espero ela acordar antes de ir para o escritório. A primeira coisa que façoo é o café da manhã – omelete de claras acompanhado de um belo suco de laranjas frescas, ou uma xícara de leite desnatado com torradas e geleia de damasco e café à base de cevada. Há dez anos evito cafeína. Costumava tomar cinco xícaras ao dia, mas parei devido a problemas de insônia. Enquanto como, checo meu Blackberry – sim, ainda tenho um para receber e enviar e-mails. Também tenho, claro, um iPhone, mas ainda não adquiri facilidade para digitar textos longos em teclados touchscreen. À noite, leio em meu iPad dois jornais italianos, La Repubblica e Corriere della Sera, mas ainda carrego o gosto pela leitura do verdadeiro jornal impresso.

7:30
Um personal trainer vem à minha casa três vezes por semana. Às vezes, faço cárdio, mas quase sempre aliado a pilates e alongamento, para fortalecer a musculatura das costas, um problema para mim. Meu uniforme para a malhação é sempre preto, e minha marca esportiva favorita é a Nike, que sempre produz peças básicas e estilosas. Não sou do tipo que usa estampas florais para se exercitar.

8:30
Tomo um banho com produtos delicados, que, geralmente, compro em casas de produtos naturais. Já a maquiagem é bem leve: base, rímel e só. Se tenho alguma reunião importante, ou mesmo alguma entrevista ou sessão de fotos, chamo algum profissional da área para dar uma mãozinha.

8:45
Visto uma calça preta com algum suéter no mesmo tom e quebro com uma bolsa colorida ou sandálias de salto. Se tenho alguma entrevista marcada no dia, dou preferência ao salto, que é minha paixão. No entanto, trabalhamos em um prédio de cinco andares, por isso a praticidade de transitar ao longo do dia com os pés no chão, às vezes, fala mais alto. Sou obcecada por sapatos. Possuo em torno de 200 pares, dos quais mais ou menos dez são Nike. Uso Gucci quase cem por cento do tempo, é claro, mas gosto de mudar, às vezes, até porque, trabalhando na mesma coleção por seis meses, uma hora você acaba enjoando.

O verão 2015 da Gucci - Fotos: Getty Images
O verão 2015 da Gucci – Fotos: Getty Images

9:00
Quando Greta acorda, brinco um pouco com ela, antes de sair para o escritório. Dançamos ou jogamos algum jogo no iPad – ela já sabe perfeitamente como ligar e desligar o aparelho, está encantada pelo cantor italiano Jovanotti e adora prestar atenção às batidas das músicas, além de dar muitas risadas quando eu as canto. Tenho muita sorte, pois minha mãe mora ao lado e cuida dela todos os dias para que eu possa trabalhar tranquila. Também tenho, claro, uma ótima babá. Mas nunca é o suficiente. É bom ter a presença da avó.

9:45
Minha casa fica bem perto do escritório e tenho um motorista que me leva e traz em um Audi. Quando não estou trabalhando, eu mesma dirijo minha Range Rover Sport, que mais parece um ônibus familiar, onde acomodo minha filha e nosso enorme cachorro, um pastor alemão chamado Gunner IV.

10:00
A primeira coisa que faço ao chegar ao escritório é sentar com minhas duas amáveis assistentes para checar os compromissos do dia. Há dias em que passo todo o tempo com a equipe de design, outros em que tenho umas dez reuniões – as quais podem ser bem maçantes e eu, ao contrário, estou sempre em busca de diversão. Conheci meu namorado, Patrizio [di Marco, CEO da Gucci], no trabalho, portanto, nos vemos praticamente todos os dias. Se isso não ocorre, falamos muito ao telefone.

13:00
Sempre faço reuniões durante o almoço, pois há muitas coisas a resolver e não gosto de comer sozinha. Trago a comida de casa – peixe fresco com salada ou vegetais cozidos, os quais eu mesma preparo. Ao longo do dia, bebo apenas água sem gás, cinco ou seis garrafinhas, e, às vezes, me presenteio com uma Diet Coke, para dar um up na energia.

Gucci, inverno 2014 - Foto: Agencia Fotosite
Gucci, inverno 2014 – Foto: Agencia Fotosite

19:00
Deixo o escritório para chegar em casa a tempo de alimentar Greta e, depois, brincar um pouco com ela. Ela veste bastante Baby Gucci, mas não só. Fazer compras para ela é um de meus hobbies favoritos. Patrizio sempre brinca, dizendo que sou louca, pois ela já tem mais sapatos do que eu. Sou obcecada por eles. Creio que já colecionávamos em torno de 40 pares quando ela começou a andar. Dá pra acreditar?

21:30
Eu a ponho para dormir com seus bichinhos de pelúcia prediletos: um coelhinho branco e um macaco que o pai lhe trouxe do Japão.

21:45
Posso relaxar. Janto e bebo uma taça de vinho. Hoje em dia, raramente saio à noite, mas adoro convidar os amigos para virem em casa. Também amo junk food, especialmente quando viajo. Toda vez que vou a Nova York, espero até o último dia de viagem para atacar um daqueles carrinhos de cachorro-quente em frente ao Central Park. Além disso, ainda carrego o pior dos hábitos: fumar. Tentei parar diversas vezes. Após o jantar, assisto a um filme, leio algo, ligo para alguma amiga ou converso com minha mãe ou com meu namorado. Não assisto à TV. Não tenho tempo. Mas leio tudo e qualquer coisa que me passa pela vista: romances, histórias de amor, thrillers. Também coleciono vinis, já são por volta de 8 mil no acervo – tenho uma sala dedicada só a eles. Ziggy Stardust, de David Bowie, é meu predileto. Quando chega meu aniversário, ou mesmo o Natal, sempre ganho álbuns vintage de meus amigos.

23:00
Meu quarto é muito relaxante – tenho a necessidade de que seja um local privativo e aconchegante, com piso de parquet, a cama, da Cassina, alguns objetos vintage, um par de cadeiras que encomendei enquanto estava amamentando e coloquei em frente à janela para que pudesse observar as palmeiras centenárias do lado de fora. Dou uma olhada nas notícias, depois leio durante mais ou menos uma hora, pois essa é a única coisa que me induz ao sono.

Assine a Harper’s Bazaar