Premium Eco, o novo vibrador ecologicamente da Womanizer – Foto: Divulgação

Por Ana Carolina Soares

Mais do que o livro de cabeceira, vale muito a pena eleger um “sex toy” bff, para ficar sempre ao alcance das mãos antes de dormir ou ao acordar ou para relaxar em qualquer momento do dia…

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Na minha gaveta, um permanece imbatível desde 2017: o Womanizer Pro W500. É discreto, bonitinho, feminino e, principalmente, extremamente eficiente. Alguns descrevem seu efeito como um substituto do sexo oral, por estimular o clitóris, mas é uma sensação totalmente diferente. O brinquedinho emite sucções em ondas de ar e proporciona um orgasmo impressionante, daqueles de fazer o corpo suar e tremer inteiro.

Também curto história da marca, idealizada pelo casal Brigitte e Michel Lenke. Juntos desde a década de 80, os dois levavam uma vida sossegada em uma aldeia na Baviera, na Alemanha, até inventarem o Womanizer em 2014, movidos por pesquisas sobre a pandemia da falta de orgasmo feminino. Hoje, respectivamente aos 57 e 70 anos, viajam o mundo vendendo seus produtos, além de dar palestras sobre prazer.

Brigitte e Michel Lenke – Foto: Divulgação

Se você está olhando agora com desconfiança, pensando “ih… essa blogueira aí com certeza levou algo para fazer essa propaganda tão entusiasmada”, pode se tranquilizar 🙂 Paguei bem caro pelo meu (na época, em torno de R$ 500, em 12 parcelas mensais). Nunca levei nenhum centavo para fazer review de qualquer produto, tenho aquele pudor de jornalista das antigas, sabe?

Gosto muito de falar do Womanizer porque mais da metade das mulheres no Brasil tem dificuldade de alcançar o orgasmo. E esse produto é realmente uma solução infalível! Toda mulher deveria investir nesse prazer e experimentar.

Agora, tem mais um motivo: a marca acaba de lançar uma versão do toy ecologicamente correta. Trata-se do Premium Eco, anunciado recentemente como o primeiro brinquedinho biodegradável e reciclável.

O mercado mundial de brinquedos sexuais, previsto para valer £ 27 bilhões até 2025, pode não parecer um alvo principal para a sustentabilidade – mas o chamado “Green Sex” aos poucos têm conquistado seu espaço.

Em 2011, surgiu o primeiro “sex shop” ecológico, o Other Nature, em Berlim, capital alemã. O estabelecimento se classifica como vegano e afirma que seu maior propósito é promover o bem-estar, a diversidade, além de combater o preconceito.

Todos os produtos oferecidos no sex shop sustentável não contêm material de origem animal ou marcas que realizam testes em animais. Além disso, não vende nada que contenha glicerina, alérgenos e parabenos, compostos potencialmente tóxicos e alérgicos para o organismo humano.

Os vibradores são feitos de silicone biodegradável, em vez de plástico, PVC e borracha. Já os lubrificantes atóxicos são à base d’água, livres de fragrâncias sintéticas, conservantes e produzidos a partir de extratos botânicos orgânicos e veganos.

Uma das marcas na vitrine é a Swan Vibes, com uma linha de vibradores chamada Leaf, feitos 100% de silicone sem emendas com bateria recarregável de lítio, o que evita o descarte acentuado de pilhas comuns.

Outra história que amo é da Sustain, marca de camisinha vegana, feita com látex orgânico. A ideia foi desenvolvida em 2014 por Jeffrey Hollender e sua filha Meika. Ele é colaborador do Greenpeace e co-fundador da Seventh Generation, empresa que distribui produtos ecológicos em supermercados nos Estados Unidos. E Meika, apaixonada pela saúde sexual e reprodutiva das mulheres, criou a primeira marca de produtos naturais relacionados à vagina.

Uma das razões para criar a criar a camisinha eco-friendly foram as substâncias cancerígenas presentes nas tradicionais. Em 2014, um estudo feito pelo Reproductive Health Technologies Project, Projeto de Tecnologias de Saúde Reprodutiva, e pelo Center for Environmental Health, Centro pela Saúde Ambiental, mostrou que 16 de 23 camisinhas analisadas continham nitrosaminas, que são compostos cancerígenos produzidos a partir de nitritos e aminas. Fiquem de olho, viu?

E você, pesquisaria as credenciais de sustentabilidade de seus próximos brinquedos sexuais? Acho que vale a pena…

Beijos e divirtam-se.

@anacarolcsoares Jornalista desde 1994, ganhou prêmios e passou por grandes veículos de comunicação, trabalhando como repórter, editora, colunista e PR. É muito feliz também em cursos de tantra, fez mais de dez e até tirou certificado de terapeuta tântrica com Gilson Nakamura em janeiro de 2019, no método Deva Nishok. Dona de cachos assumidos e ama escrever sobre sexo, como a musa Carrie Bradshaw.