Foto: reprodução/RG
Foto: reprodução/RG

Como é linda a Fernanda Lima, musa da edição de março de RG que chega nesta sexta-feira (14.03) às bancas. Para apresenta-la, como se fosse necessário, reproduzimos a carta do diretor, palavras (belas palavras, aliás) de Jeff Ares sobre a loira de tirar o fôlego.

Foto: reprodução/RG
Foto: reprodução/RG

“O mundo descobriu Fernanda Lima. Na hora certa, em que os anos a encontram bem, muito bem, tão bem… Tão gata, tão voluptuosa, tão mãe, tão bem casada, tão integrante da família Doriana. Suas trovejantes aparições no sorteio da Copa e na Bola de Ouro a alçaram ao posto de musa do Mundial e do esporte, mulher-símbolo do Brasil. Fernanda Lima nos representa. E não apenas pela geografia curvilínea ou pela loirice (sim, somos todas as raças). Mas também porque quebra estereótipos. O da loira burra, por exemplo, não passa nem perto. Basta ler o texto que ela escreve nesta revista, sobre si, cheio de elipses, autocrítico, coerente. E bem escrito. Ali, Fernanda Lima também detona o padrão de subserviência das celebridades que buscam a qualquer preço um cantinho de retrato na revista, ao custo de escancarar a vida, a família, sem reservas, sem pudor. Questiona as distorções do que diz nas entrevistas e deixa entrever as fissuras do nosso jornalismo de fofoca, suas perguntas rasas, as bobagens que repercute. É o oposto do que tentamos fazer nesta RG, um espaço para reflexões um pouco mais profundas sobre as pessoas, uma investigação mais livre, que quer escutar revelações, não a cor do esmalte preferida. Pois Fernanda Lima teve a coragem de se expor, sem hipocrisia. Temos o maior orgulho de publicar esse texto. Fernanda Lima nos escolheu, e isso diz muito. É sinal de que estamos no caminho certo. Como ela, que tem um mundo à sua espera. Bola dentro.”

No SiteRG, assista ao vídeo do making of, by Fabio Talles durante o ensaio clicado pelo ilustre Paulo Vainer, com direção de moda sempre ousada de Vanda Jacintho, coordenação geral do nosso diretor Dudi Machado, produção de Isa Viedma, beleza de Max Weber, direção de arte de Renata Zincone, com assistência de Alvise Lucchese.