Inverno 2020 – Foto: Now Fashion

O estilista Hedi Slimane traz seu olhar afiado para renovar a moda clássica dos anos 1970 no inverno 2020 da Celine, e isso inclui as bolsas altamente desejadas da marca, que ganham o toque despretensioso e podre de chique que o diretor criativo faz tão bem.

Em 1997, quando Michael Kors assumiu o cargo de designer da label francesa, ela começou a se tornar uma máquina em acessórios de sucesso. Afinal, Kors é conhecido até hoje por ser um dos nomes da moda que mais vende bolsas ao redor do mundo.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Quando Phoebe Philo assumiu a Celine, em 2001, ela não deixou para traz o legado do norte-amercano, e ainda trouxe para as bags toda a carga histórica da fundadora da marca, Celine Vipiana. Assim como Phoebe, Vipiana ganhou fama pelo toque minimalista e contemporâneo. Daí nasceram grandes sucessos, como a Luggage Bag (de 2009) e a Trapeze Bag (de 2010).

Inverno 2020 – Foto: Now Fashion

Com Slimane no comando, a visão é bem diferente. Phoebe priorizava bolsas em tamanho grande, com abas laterais em evidência, criando assim sua marca registrada. Na contramão, Hedi gosta de modelos pequenos e estruturados.

Inverno 2020 – Foto: Now Fashion

A famosa “C Bag”, por exemplo, ganha um formato de carteira, com alça de corrente dourada e dois “Cs” no lugar de um, mudando o logo original.

Inverno 2020 – Foto: Now Fashion

Ele também assina itens para os rapazes, em formato de “U”, usados com alças nos ombros.

Inverno 2020 – Foto: Now Fashion

As clutches aparecem nos tamanhos P, M e G, dependendo da necessidade de cada pessoa em carregar volume de itens. As menores são de couro molenga, e as médias e grandes são estruturadas.

Inverno 2020 – Foto: Now Fashion

O maior charme da passarela? A bolsa rendondinha, inspirada nos porta-chapéus, que já nasce como desejo absoluto!