Dinamarca: grife underground argentina tem planos para o Brasil

Com uma proposta cool, label é conhecida por apoiar projetos culturais

by redação bazaar
A jaqueta bomber com toques de cores para o inverno: o forro é tão importante quando a peça. Modelo: Juan Roccabruna, com fotos de Labio Liebl, beleza de Nicolas Fernando Rodriguez e styling e produção executiva de Victor Drummond by Drummnod Comunicação

A jaqueta bomber com toques de cores para o inverno: o forro é tão importante quando a peça. Modelo: Juan Roccabruna, com fotos de Fabio Liebl, beleza de Nicolas Fernando Rodriguez e styling e produção executiva de Victor Drummond by Drummnod Comunicação

Por Victor Drummond

A equipe da Bazaar se deparou por acaso com uma festinha chic despretensiosa tomando conta de uma calçada de Palermo Hollywood, bairro de Buenos Aires reduto de artistas plásticos, antiquários moderninhos, atores de cinema e um certo quê de boemia.

Era um lançamento de coleção da Dinamarca, grife jovem, mas que já é forte referência entre a turma das artes, moda e design. O décor da loja é descolado e, pela pegada do staff, dá para sentir o DNA da marca: Lisandro Ortuondo, o diretor criativo e publicitário, estava discotecando com um set-list que flertava com o rock progressivo e bases techno-alternativas.

“Gosto muito do universo irreverente do diretor de cinema David Lynch, que brinca entre o possível o surreal o tempo inteiro. Acabo trazendo isso para minhas criações.”, explica Lisandro, também um dos sócios da marca.

Ele revela que, em oito anos de empresa, há algumas marcas que sempre o inspiraram, como Versace, Dolce & Gabbana e as propostas street da Adidas. “Me encanta mesclar uma pegada urbana com um estilo rocker underground chic”, define ele.

Além das lojas próprias em Buenos Aires e dezenas de multimarcas pela Argentina, a marca tem lojas em Bordeaux, na França; em Tóquio no Japão, e mira cidades como São Paulo e Rio de Janeiro no Brasil para muito breve.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Camisas florais, jaquetas em couro sobre os ombros e calça harem: moda multiétnica e sem gênero. Modelo: Juan Roccabruna, com fotos de Labio Liebl, beleza de Nicolas Fernando Rodriguez e styling e produção executiva de Victor Drummond by Drummnod Comunicação

Camisas florais, jaquetas em couro sobre os ombros e calça harem: moda multiétnica e sem gênero. Modelo: Juan Roccabruna, com fotos de Fabio Liebl, beleza de Nicolas Fernando Rodriguez e styling e produção executiva de Victor Drummond by Drummnod Comunicação

Modelos internacionais também já estrelaram campanhas da Dinamarca, como o inglês Julian Care, Santiago Figueras, o ator e modelo Humbeto Tortonese, Rafael Ferro e o apresentador portenho Juan Marconi.

Campanhas internacionais foram clicadas em cidades cosmopolitas como Tóquio, Nova York, Bordeaux, Buenos Aires e Leipzig. E na inóspita Patagônia, foi produzida uma campanha com fotos conceituais.

Leia também:
Maxibolsas: as bolsas de inverno 2018 são tamanho GG
Vestidos para todos: peça ganha o closet de homens e mulheres

Inverno colorido e moda sem gênero

Poncho "escocês" com camisa geométrica: mistura de estampas e aposta em acessórios unissex como a bolsa-carteira. Modelo: Juan Roccabruna, com fotos de Labio Liebl, beleza de Nicolas Fernando Rodriguez e styling e produção executiva de Victor Drummond by Drummnod Comunicação

Poncho “escocês” com camisa geométrica: mistura de estampas e aposta em acessórios unissex como a bolsa-carteira. Modelo: Juan Roccabruna, com fotos de Fabio Liebl, beleza de Nicolas Fernando Rodriguez e styling e produção executiva de Victor Drummond by Drummnod Comunicação

Por possuírem franquias na Europa e Ásia, a marca já está apresentando a coleção inverno 2019. O resultado é uma interessante homenagem à miscigenação dos povos.
Com esse background, não seria surpreendente esperar um inverno colorido com cartela de cores mais moderninhas, saindo dos óbvios tons escuros.

Como a jaqueta bomber com pegada militar e com um forro interno valorizado pela cor laranja fluorescente. Camisas com motivos florais buscaram inspiração nas cores da Itália, no irreverente espírito latino e no libertador lifestyle cigano. “A nossa moda é sem gênero. A maioria das peças fica bem em homens e mulheres. Questionamos arquétipos sociais e pregamos uma maneira de ser vestir livre de preconceitos”, defende Lisandro.

Amarrações na cintura com camisas mais pesadas e jaquetas em couro com perfume rocker simplesmente jogadas sobre os ombros deixam os looks fresh. A aposta também está nas camisas em seda de tons pastéis, como azul, verde e rosa, que compõem looks monocromáticos, e com trench coats pesados e camisas florais amarradas à cintura.

Camisa em seda com estampas gráficas e poncho xadrez inspirados na Escócia (miscigenação europeia com a moda da América do Sul), faixa na cintura sobreposta ao cós da calça (uma desconstrução modernizada para o dia-a-dia da faixa do smoking) provam que misturar estampas de maneira harmônica é tendência na Dinamarca.

Tecidos leves como a seda contrastam com o trench coat pesado. Modelo: Juan Roccabruna, com fotos de Labio Liebl, beleza de Nicolas Fernando Rodriguez e styling e produção executiva de Victor Drummond by Drummnod Comunicação

Tecidos leves como a seda contrastam com o trench coat pesado. Modelo: Juan Roccabruna, com fotos de Fabio Liebl, beleza de Nicolas Fernando Rodriguez e styling e produção executiva de Victor Drummond by Drummnod Comunicação

As calças dessa coleção são quase todas de alfaiataria. Algumas ao estilo harem (com cintura marcada e elástico na barra). Look arrematado com atitude: bolsa-carteira masculina (ou feminina?) em couro, também da grife.

Dinamarca vem sendo cada vez mais procurada pelos públicos feminino e kids. O departamento de estilo estuda apresentar uma coleção específica para os dois grupos. A marca está sempre conectada com projetos sociais, como apoio à carreira de jovens artistas no cenário musical e teatral e investimento de recursos em projetos de igualdade de gênero.

Misturar culturas, raças, estilos musicais, estampas. Atenuar os limites entre masculino e feminino. Por uma sociedade sem preconceitos e discriminações. Deu para entender porque em tão pouco tempo, a Dinamarca já chegou em tantos lugares e virou hit fashion.