Foto: Getty Images

Música, feminismo e um visual que transcende décadas. Nada muda para a líder do Blondie. O estilo de Debbie Harry une a explosão de cores, o roqueiro e o pioneirismo feminino de uma forma que só ela sabe fazer, mas que se perpetua e se transforma na criação dos visuais contemporâneos.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Nascida em Miami, na Flórida, a cantora da banda de new wave Blondie passou longe de aderir às estampas florais típicas do estado em seu vestuário. Coincidência ou não, a mudança para Nova York, ainda durante a década de 1960, parecia compor com a gradual composição de seu estilo único que viria a marcar as próximas gerações de mulheres.

O estilo de Debbie Harry

Foto: Getty Images e Reprodução/IMDb

Ainda em 1975, seu estilo blasé foi completamente remodelado pelo estilista Stephen Sprouse, responsável por inspirar coleções de grifes de luxo como Louis Vuitton e Marc Jacobs. O artista perpassa a sofisticação da alta classe e a sensibilidade do punk e do rock da cidade em um único visual que floresce no corpo de Debbie e a ajudam a criar sua marca no mundo fashion.

Foto: Getty Images e Reprodução/IMDb

Talvez por ter sido coelhinha da Playboy, Debbie sabe muito bem como usar de sua sensualidade para continuar deixando sua marca no cenário contemporâneo cultural e da moda. Isto é, independentemente do que esteja usando.

Casacos de pele e estampas animal print também são clássicos que permitem a Debbie continuar gerando grande impacto no universo fashion, não importando em qual seja a época. Mesmo com os anos, ainda que as apostas de suas vestimentas beirem o excêntrico, elas continuam com um “quê” de classudo que tornam o resultado final de agrado para diferentes públicos.

Maquiagem

Debbie Harry e as maquiagens de “Euphoria” – Fotos: Reprodução/IMDb e Instagram/@@donni.davy

O conceitual combinado com cores neon também entravam para a maquiagem da artista que inspirou obras do pintor Andy Warhol no auge de sua carreira. Tal efeito lúdico e extravagante de make, lançado pela cantora durante a década de 80, foi resgatado em 2019 com a estreia da série “Euphoria” na plataforma de streaming da HBO. Desde então, a explosão de cores e brilho no rosto vem ganhando cada vez mais espaço dentro e fora das passarelas.

Foto: Reprodução/IMDb

No entanto, com a maturidade de seu estilo, a cantora voltou a aderir um visual mais próximo daquilo que adotou durante diversas fases de sua carreira e, especialmente, no início. Olhos bem trabalhados com sombra preta para gerar impacto ou uma nuance de tons que começa a partir da marcação do côncavo (aquela região que fica abaixo do osso da sobrancelha e acima da pálpebra) são suas apostas do momento.

O cabelo “hey, Blondie”

Foto: Reprodução/IMDb

Ainda que o restante de sua aparência tenha sido aprimorada ao longo dos anos, algo que nunca desviou de sua essência e manteve um padrão foi o cabelo – que é, com certeza, o que há de mais marcante em todo o estilo de Debbie.

Os fios loiros platinados, curtos, repicados e com volume (que é facilmente conseguido com o uso de texturizadores como pomadas, mousses e sprays) dos anos 70, permaneceram intactos e são quase uma versão antiga de um dos cortes “queridinhos” do momento, o long bob.

O cabelo é uma peça tão marcante em sua trajetória e em sua estética que foi, inclusive, motivo da mudança do nome da banda de Angel and the Snake para Blondie. Tal alteração veio como forma de protesto após sofrer assédio de caminhoneiros nas estradas durante sua primeira turnê pelos Estados Unidos. Para chamar sua atenção, eles a chamavam por “hey, blondie”, que em português significa algo semelhante a “ei, loirinha”.

Apesar de ter sido considerada por muito tempo uma figura andrógina por parte do público, Debbie sempre esteve à frente de seu tempo, provando que o que há de mais feminino em uma mulher é abraçar aquilo que tornam suas identidades únicas. Seu modo de fazer moda não só é atemporal mas deixa sua aparência cada dia mais viva no auge de seus 74 anos.