Giovanna veste top Marques Almeida para Topshop, saia Jil Sander e gargantilha vintage. Luminárias Ingo Maurer e quadro de Claudia Melli - Foto:reprodução/Harper's Bazaar
Giovanna veste top Marques Almeida para Topshop, saia Jil Sander e gargantilha vintage. Luminárias Ingo Maurer e quadro de Claudia Melli – Foto:reprodução/Harper’s Bazaar

Por Luigi Torre, com fotos de Catherine Ferraz e set design Tissy Brauen

O guarda-roupa de Giovanna Meneghel não esconde muitos segredos nem é tão grande quanto se possa imaginar. “Repito roupa o tempo todo”, conta, durante um almoço em uma tarde quente de outubro de 2014.

Giovanna usa vestido Ashish e tênis Dior - Foto: reprodução/Harper's Bazaar
Giovanna usa vestido Ashish e tênis Dior – Foto: reprodução/Harper’s Bazaar

O observador mais atento logo entenderá por que sua imagem é sempre fresca, nova até. “É só conhecer o próprio corpo, saber o que te veste bem e fazer as compras certas.” Parece simples, mas não é. Requer um pouco de autoconhecimento, muita autoaceitação e, em alguns casos, um empurrãozinho profissional. É essa a função do Éditeur, site comandado por Giovanna desde abril de 2013 e que acaba de passar por reformulações.

Clutch 202 Factory, óculos Mykita, brincos Dior e anel Talento - Foto:reprodução/Harper's Bazaar
Clutch 202 Factory, óculos Mykita, brincos Dior e anel Talento – Foto:reprodução/Harper’s Bazaar

Sua definição exata, contudo, é complexa. Inicialmente, o site oferecia o serviço de catalogação do guarda-roupa, arrumação e consultoria pessoal – tudo online. Desde o último novembro, esse serviço – que segue em atividade – ganhou maior alcance. Trata-se, agora, de uma plataforma híbrida de conteúdo, consultoria e e-commerce. “Ficou muito mais completo”, conta. “É isso que queremos, prestar serviços de forma didática, quase tutorial, para que as pessoas possam fazer escolhas mais acertadas.”

Boa memória visual e olhar apurado ela sempre teve, mas só foi desenvolvê-lo profissionalmente depois de formada. Em 2009, foi para Londres, estudar no London College of Fashion. “Já gostava de moda, mas achava que não teria sucesso”, explica, entregando o perfeccionismo que acompanha tudo o que faz. A prova contrária veio com posto na equipe de estilo da Céline e, pouco depois, ao lado da diretora de criação Sarah Burton, na Alexander McQueen – “foi minha grande escola”, admite.

Giovanna veste top Marques Almeida para Topshop, saia Jil Sander e gargantilha vintage. Luminárias Ingo Maurer e quadro de Claudia Melli - Foto: reprodução/Harper's Bazaar
Giovanna veste top Marques Almeida para Topshop, saia Jil Sander e gargantilha vintage. Luminárias Ingo Maurer e quadro de Claudia Melli – Foto: reprodução/Harper’s Bazaar

Aos 29 anos, de volta a São Paulo, decidiu dividir suas convicções de moda por meio do Éditeur. E agora também por meio desta Bazaar. É ela quem passa a assinar o styling desta seção. “Tem muito a ver com o meu trabalho”, conta, animada.

Sobre suas convicções, basta olhar as fotos que acompanham este texto. “Esse cabelo, por exemplo, era algo que eu já vinha com vontade de fazer há tempos, mas nunca tive tempo.” Convém dizer que Giovanna não vive só de pose. Boa parte do seu dia – e algumas muitas noites – é gasta no escritório.

Sapatos Stubbs & Wootton (rosa), Céline (verde) e Balenciaga (bege) - Foto: Harper's Bazaar/reprodução
Sapatos Stubbs & Wootton (rosa), Céline (verde) e Balenciaga (bege) – Foto: Harper’s Bazaar/reprodução

O que explica também, ainda que não tão explicitamente, por que seu guarda-roupa não é grande demais – mas extremamente eficiente. “Você não precisa, por exemplo, de 15 calças jeans. Bastam três e saber com o que e como usá-las para compor looks diferentes, para ocasiões diferentes”, afirma.