Por Luigi Torre

O lançamento de uma linha de roupas de esporte, na temporada passada, parece ter dado fôlego renovado para Tory Burch revisitar a moda casual e sempre prática que marcou a virada dos anos 1960 para os 1970. Comprimentos mídi e um mix de formas ajustadas e soltas (não conseguimos parar de pensar no pijama-disco, superbrilhante, nem nas calças de cintura alta coladas ao corpo) marcam o período de referência, ao mesmo tempo em que falam da diversidade tão necessária ao guarda-roupa atual.

Leia mais: #NYFW: Tommy Hilfiger e seu exército navy

O desfile abre com uma série de looks com patchwork de couro colorido, lenços no pescoço e botas de cano alto – complemento perfeito para os comprimentos no meio da canela. Interpretações modernas do padrão arguile e certa funcionalidade esportiva em jaquetas e calças completam os looks até que as formas se afastam do corpo e as estampas – e o mix delas – entram em cena. São motivos corridos, tipo paisley, e miniflorais, ao lado de brilhos e uma alfaiataria retrô. Vintage, afinal, está em alta. E nem uma das principais expoentes do novo sportswear americano foge disso.