Pink fever: marcas abusam do rosa no pre-fall 2020

A cor é aposta da temporada e vai ser hit no ano que vem

by redação bazaar
Prabal Gurung - Foto: Divulgação

Prabal Gurung – Foto: Divulgação

Por Marcela Palhão e Najela Bruck

Pode anotar: o pink é uma das maiores apostas do pre-fall 2020. Ela assume a responsabilidade do preto e passeia com muita personalidade entre moda festa, casual, acessórios e lingeries. Do street style às passarelas internacionais, a cor é predominante e mostra que tem atitude de sobra para colorir o guarda-roupa até mesmo das mais discretas.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

O tom chegou ao mercado da moda, em 1938, pelas mãos da modernista e excêntrica estilista italiana Elsa Schiaparelli. A cor eletrizante foi batizada de “shocking” e deu nome ao perfume da marca. Em 1954, o livro de memórias de Schiaparelli também recebeu o nome de sua criação.

Foto: Reprodução/IMDB

Foto: Reprodução/IMDB

No cinema, o pink deu vida e sensualidade ao icônico vestido usado por Marilyn Monroe no longa “Os Homens Preferem as Loiras”, de 1953. A peça, criada por William Travilla, foi leiloada em junho de 2010 por US$ 310 mil. O sucesso foi tanto que Madonna recriou o modelo no clipe da música ‘Material Girl’, em 1984.

Golden Summer por Roni Diaz - Foto: Divulgação

Golden Summer por Roni Diaz – Foto: Divulgação

Com uma vasta paleta, mais de 50 tons de rosa estão catalogados, a cor também é conhecida como rosa choque, fúcsia, magenta, entre outros. Na psicologia, seu uso está ligado à sedução e à sensualidade. Especialistas o relacionam com o amor e com a ternura.

Pamella Roland - Foto: Divulgação

Pamella Roland – Foto: Divulgação

Historicamente, o rosa e suas variações sempre foram atrelados ao público feminino. Ciente disso, a publicidade investiu na cor para atrair a atenção e o bolso das mulheres. Com o passar dos anos, o pink ganhou cunho político-social e passou a representar o movimento feminista.

Apesar da delicadeza que o cerca, o tom, nem sempre, representou suavidade e romantismo. Durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), a cor foi sinônimo de marginalização e de discriminação. Na Alemanha nazista, os homens que não eram considerados masculinos o suficiente para serem recrutados como soldados tinham um triângulo rosa costurado em suas roupas. Estima-se que 10 mil homens receberam essa identificação e foram deportados para campos de concentração.

Prabal Gurung - Foto: Divulgação

Prabal Gurung – Foto: Divulgação

Na moda, o pink sempre marcou presença e, para a próxima temporada, promete ser a grande vedete. “É uma cor que mescla personalidade, atitude e pitadas de feminilidade. Transita muito bem nos mais diversos estilos e funciona como um elemento que garante uma pegada fashionista em qualquer look”, destaca a consultora de imagem e estilo, Daniela Nunes.

Adeam - Foto: Divulgação

Adeam – Foto: Divulgação

Os looks monocromáticos estão em alta, mas, nem por isso, é preciso abrir mão da boa e velha combinação de cores. “Para as mais discretas e que buscam equilíbrio na produção, vale apostar no combo rosa e cinza. Para quem busca modernidade, a dica são os mixes pink e vermelho ou pink e azul. Se o seu estilo for ousado e colorido, rosa e verde é a pedida ideal”, indica Nunes.

Leia mais:
Acrescente rosa ao seu look de trabalho
Rosa domina a alta-costura verão 2019
Dez coisas que amamos no pre-fall 2020 de Giorgio Armani