Foto: Divulgação

O movimento que teve início no skincare, baseado na busca com uma pele natural, mas com muito glow, foi transportado para os fios. “Vemos uma tendência de cabelos ultranaturais, com bastante brilho e luminosos”, disse a Bazaar o hairstylist Natan Correia, embaixador da Schwarzkopf.

Essa trend é reflexo da busca por uma aparência saudável, transparente e do empoderamento feminino. Mas também da ascensão do clean beauty, que prega uma beleza mais limpa, menos tóxica e, portanto, com menos química. “Além disso, as mulheres, nesse período de pandemia, buscam serviços que não exijam tanto tempo no salão, querem praticidade, cores e efeitos que não precisem de manutenção tão frequente”, ensina Natan, que é também hairstylist do MG Hair, em São Paulo.

Ele acrescenta que, neste momento, quanto menos as pessoas puderem ir ao salão, melhor. Segundo Natan Correia, esta naturalidade prática está nos cabelos, mas também nos produtos usados, bem menos agressivos. “Tintura sem amônia, papel sustentável no lugar do alumínio, e processos de descoloração mais suaves são um caminho sem volta”, afirma.

Efeito de brilho

Foto: Divulgação

Para se chegar a esse desejadíssimo glow natural e acabamento saudável, a Schwarzkopf Professional lançou o pó descolorante sem amônia da linha “Essensity”. Ele garante loiros saudáveis, com brilho e aparência natural em sete níveis de clareamento. Os tons permitem mais transparência e refletem melhor a luz. O resultado é um visual mais orgânico e menos danos aos fios, sem perder performance.

O segredo da coloração de Essensity está na tecnologia Phytolipid, que combina pigmentos de cor e óleos vegetais que contêm lipídios encontrados em cabelos com aparência saudável. “A cor sem amônia permite mais sutileza e naturalidade”, diz Natan. “É possível criar nuances mais próximas das reais e até mesmo grandes mudanças com processos menos invasivos”.

Química suave

Ainda na pegada da naturalidade, o que se vê são cabelos com processos químicos mais suaves, pensando não só na qualidade do fio, mas na saúde do planeta como um todo. “Há uma consciência global de se preocupar com a química, com o que se está usando no corpo, se o produto tem toxicidade. Tem que ser menos agressivo para o cabelo e para a natureza. Mais pessoas nos procuraram com essa preocupação em mente”, diz o embaixador da Schwarzkopf.

Na onda do clean beauty, uma composição mais limpa não precisa ser necessariamente 100% vegana. “O produto precisa ter performance, mas mesmo as substâncias sintéticas precisam ser livres de toxinas. Ficamos de olho na procedência”, explica Natan. Segundo ele, até mesmo o styling busca valorizar a forma original de cada cabelo. “Os fios não sofrem grandes mudanças, finalizadores que conferem brilho e controle de frizz ressaltam ondas, cachos e até os fios lisos”, dá a dica o hairstylist.