Celine Dior – Foto: Arquivo Harper’s Bazaar

Por Carolina Andraus

Claudia Navone foi uma das poderosas do mundo da moda por quase 23 anos, à frente da Harper’s Bazaar Austrália e outras publicações de destaque. Com raízes sólidas nesse universo, no auge da carreira, sentiu um chamado de mudança e fez um profundo detox espiritual.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Se você pensa que isso significa romper definitivamente com o cenário fashion, esqueça. A italiana é a prova de que é possível estabelecer uma ponte entre moda e espiritualidade: Claudia se diz uma “facilitadora” da expansão de consciência neste meio. Tendo se tornado uma terapeuta espiritual em tempo integral, põe abaixo o estereótipo da riponga, em suas próprias palavras, para ter uma consciência mais desenvolvida. “Continuo me vestindo bem, porém, sem perder a humildade ao me relacionar com o próximo.”

A ex-diretora de moda acredita que o belo é um reflexo de um mundo de luz: uma bonita casa e um lindo vestido são expressões da criatividade, e uma pessoa pode, sim, usar alta-costura e ser profundamente espiritualizada. E isso é muito bom, porque o crescimento espiritual está aberto para todos. “A moda é uma expressão criativa aceita e apreciada por sua beleza. Jamais conseguiria negar minhas raízes”, afirma.

A jornada de Claudia no mundo espiritual se transformou em um livro, que ela lançou este mês em Londres. Em “The Shape Shifter”, ela conta as transformações pelas quais passou até chegar a um lugar de profunda espiritualidade. Ela precisou se libertar de todos os mecanismos, dinâmicas, velhos sistemas de crenças, medos, padrões e ilusões. Com isso, mudou também sua realidade, optando por uma vida completamente nova.

Claudia Navone – Reprodução/Instagram/@navone_claudia

“Quanto mais leve estivermos, mais simples será viver com alegria e paz nos nossos corações. E devemos ter cuidados, não apenas com os nossos corpos, mas também com nosso estado de consciência, nossa maquiagem interior, para que possamos experimentar uma liberdade sem as nossas autoimpostas limitações”, ensina ela, que dá aulas na Divine University, plataforma de desenvolvimento espiritual. No mês passado, Claudia esteve em São Paulo, onde fez um workshop para um grupo de amigos.

O primeiro passo no processo de detox espiritual, segundo ela, é nos libertar de medos e crenças sistêmicas: “Os grandes responsáveis por nos impedir de chegar a um lugar de abundância”, diz. “A única forma de alcançarmos esse estado é por meio de uma real abertura dos nossos corações, nos tornando observadores amorosos de tudo à nossa volta, em ausência de julgamento. Esse é o mais importante benefício do detox de consciência, que limpa e libera nossos corações para receber muito mais do que imaginávamos possível.”

Apesar do prazer em se vestir bem (“não existe nada de errado com o desejo de se sentir bonita!”), Claudia se desfez da maioria de seus bens quando decidiu seguir seu chamado espiritual. Mas enfatiza que esse foi um processo pessoal, e não uma regra. Ela encoraja a busca por uma moda de luxo mais reciclável, na qual amigos troquem mais e se divirtam garimpando nos armários uns dos outros, na qual lojas de roupas vintage sejam opções recorrentes e produções criativas, ao se vestir, sejam alternativas reais.

Ela reforça a importância para o planeta de um consumo consciente. “Se você tem estilo, certamente vai estar muito bem vestida com um look de cinco estações atrás”, diz, com a autoridade de uma papisa da moda.

Seu processo de busca interior continua: “A transformação espiritual tem um começo, mas não um fim”, afirma. “Abandonar o meu mundo anterior não foi fácil. Estava muito apegada à minha persona e ao que isso representava”, revela. Para sua surpresa, muitas das pessoas da indústria da moda se tornaram suas apoiadoras. Se ela é mais feliz hoje? “A felicidade é se amar por inteiro, e amar a todos à sua volta, sem julgamento.”