Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Finíssimas e arqueadas, grossas e retas, bagunçadas e assimétricas. Ao longo da história, sobrancelhas também tiveram seus modismos, à custa do arsenal de pinças, tinturas e até laser.

A notícia mais quente é que já é possível modelar a sobrancelha usando toxina botulínica, com efeitos bem naturais e duradouros. Dá para subir lateralmente, deixá-la plana e até baixá-la, dependendo do que se quer – e, claro, do que o médico recomendar.

Bazaar testou a novidade pelas mãos da dermatologista Carla Pecora, da Clínica Dermatologie, em São Paulo, e uma das cocriadoras do método batizado de Grid 21. Trata-se do mapeamento de 21 pontos da testa, olhos e adjacências em que se pode aplicar a toxina para o efeito desejado.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

A técnica foi criada pela Merz, empresa alemã que produz o Xeomin, toxina botulínica A purificada. “O objetivo é modelar as sobrancelhas com o uso dessa toxina especificamente, por suas características, e suavizar as assimetrias”, explica Carla.

Antes de marcar os pontos, ela faz uma análise detalhada das expressões faciais, avalia a força dos músculos do rosto e o desenho e a posição da sobrancelha. Como se fosse talhar uma escultura, ela sabe onde aplicar, e em que quantidades, para chegar ao mais natural possível. O resultado agradou, e muito.

Leia mais:
Anos 90: make e cabelo da década que estão em alta
Opostas: as sobrancelhas tendência da PFW
Volume russo: a nova febre dos cílios postiços