Sete atitudes diárias que são perigosas a pele

Alguns passos da sua rotina de beleza podem estar errados

by Marcela Palhão
Foto: Arquivo Harper's Bazaar

Foto: Arquivo Harper’s Bazaar

Mesmo quem já tem uma rotina de cuidados com a pele pode enfrentar alguns problemas, principalmente se faltar informação, ter preguiça em seguir os passos ou ansiedade em ver resultados rápidos. Alguns fatores exigem uma atenção especial, para que você não cometa erros e acabe agredindo a sua pele – o que pode favorecer o envelhecimento precoce.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Veja sete ações comuns que são, na realidade, perigosas para a saúde da sua pele:

Não usar filtro solar no frio, em dias nublados ou chuvosos
Se engana quem pensa que queimadura solares não acontecem em dias nublados. “As nuvens absorvem por volta de 10% da radiação ultravioleta, ou seja, apesar do dia não estar ensolarado, ele tem praticamente a mesma intensidade de radiação ultravioleta que um dia de sol”, explica a dermatologista Paola Pomerantzeff. Por isso, protetores solares – com índice mínimo de FPS – devem ser usado todos os dias e repassado a cada três horas.

Negligenciar algumas áreas
Na rotina de beleza diária, muitas pessoas concentram-se no rosto, região onde surgem rugas e linhas de expressão. Porém, segundo a dermatologista Kédima Nassif, outras regiões do corpo, como joelhos e cotovelos, sofrem igualmente e, às vezes, até mais com danos externos que levam ao processo de envelhecimento precoce. No caso de joelhos e cotovelos, o ideal é abusar da vitamina E e óleos naturais.

Já para o pescoço, colo e área atrás da orelha, o ideal é estender os cuidados do rosto, com hidratantes associados a antioxidantes, além da proteção contra os raios solares. “Também é necessário usar cremes específicos para área dos olhos”, lembra a médica.

Acreditar que a pele é imutável
É um comum insistir em cosméticos e fórmulas que foram boas em algum momento da sua vida, mas nem sempre o resultado será o mesmo. “Conforme vão mudando as características da pele, os cuidados que devemos ter com ela se modificam também. Como na adolescência, em que a pele tem tendência a ser mais oleosa, na faixa dos anos 50 há cada vez mais um ressecamento cutâneo. Por isso, uma mesma rotina pode ser ineficaz em diferentes fases da vida”, afirma a dermatologista Paola Pomerantzeff.

Usar bons produtos, mas na hora errada
Quando usamos produtos noturnos durante o dia, corremos o risco de fotossensibilização. Um dos principais erros, nesse sentido, é fazer uso de ácidos de manhã. “Esses produtos podem fazer a pele descamar e deixá-la mais sensível, o que é um perigo tendo em vista que a radiação solar e a poluição podem causar muito mais danos”, explica o dermatologista Jardis Volpe. O médico explica que durante a noite a pele vai experimentar um período de reparação celular, então os cremes devem ajudar esse processo.

Abusar do uso de retinoides
Nenhum retinoide (retinol ou ácido retinoico) deve ser usado sem a prescrição de um dermatologista, reforça a dra. Claudia Marçal que explica o porquê: “Estamos falando de um ácido (vitamina A ácida), que pode provocar irritabilidade hipersensibilidade e até uma queimadura quando utilizado de forma inadequada, sem orientação médica ou em concentração acima do que a pele pode suportar”.

A médica afirma que os retinoides geralmente são prescritos no inverno e não devem ser usados de maneira contínua, pois a pele fica mais fina, avermelhada e delicada, ou seja, mais suscetível a agressores ambientais. Além disso, seu uso é obrigatoriamente noturno e, no dia seguinte, é necessário lavar bem o rosto e usar um filtro solar mais potente.

Acreditar que procedimentos fazem milagres
É muito comum que as pessoas procurem por procedimentos para rejuvenescer acreditando que sairão do consultório quase que irreconhecíveis. “Porém, não existem procedimentos que rejuvenescerão o rosto em uma única sessão de maneira rápida e simples, pois é impossível reverter de uma única vez todos os danos do envelhecimento causados ao longo de anos”, diz a cirurgiã plástica Dra. Beatriz Lassance.

Pensar que os cremes mais caros serão a salvação da sua pele
Para quem fica muito ligado em novidade, é bom saber que nem sempre comprar um produto inovador vai ser a salvação. “Muitas vezes esse produto não é adequado para o tipo de pele, época do ano, fototipo e condições naturais genéticas daquela pele”, afirma a dra. Claudia.

Além disso, os cremes não fazem milagres. “Isso tem de partir da mudança da qualidade de vida dessa pessoa, pois nós sabemos que a genética é importante, mas ela não responde pela maior parte, quando falamos em equilíbrio e longevidade e com qualidade de vida. Então, os tripés de sustentação como alimentação, atividade física e proteção à ação danosa da radiação ultravioleta. Além disso, ter uma vida com menos estresse é fundamental”, diz a médica.

Leia mais:
Bazaar testou: cinco máscaras faciais para fazer em casa
Cinco mitos e verdades sobre o peeling sem ácido
Como escolher a máscara facial certa no inverno