Fernanda Souza – Foto: Vinícius Mochizuki

Após um ano sabático, iniciado em 2019, que culminou em uma jornada de autoconhecimento, a apresentadora Fernanda Souza se prepara para voltar às telinhas à frente do reality culinário “Iron Chef Brasil”, da Netflix.

Bazaar passou 24 horas com a artista. Descubra a sua rotina:

Acordo todos os dias às 6h. Sou muito matinal, gosto de acordar cedo. Tem vezes que levanto às 5h30 para ver o sol nascer, mas não é rotina. Geralmente, desperto por volta das 7h. Não porque sou animadona, mas porque durmo cedo. Agradeço a noite de sono agradável e pelo dia que vai ser incrível. Começo a higiene matinal com skincare, que é lavar o rosto e passar creme hidratante, outro para a região dos olhos e um filtro solar. É uma rotina nova. Vai chegando uma certa idade (risos)…

Não consigo fazer nada sem arrumar minha cama. No meu quarto, tenho uma luminária que fica acesa que dá um brilhinho diferente para o ambiente. Depois disso, faço um desjejum com proteína, como um ovo mexido ou tomo whey protein.

7h30 Coloco um solfejo com uma frequência vibracional que trabalha a minha pineal (conhecido como terceiro olho, importante para a conexão espiritual) e fico uns 20 minutinhos alongando porque faço um treino de musculação bem intenso há pelo menos um ano. Faço um alongamento key young e dou umas batidinhas para o corpo acordar. Depois desse alongamento, sento para meditar.

8h Vou treinando todos os dias o meu foco, esse processo de aquietar e silenciar a mente. Mas também permito que ela fale comigo porque nesses primeiros minutos tenho muitas ideias – desde coisas do dia a dia até insights de projetos, que anoto pelo telefone ou em um caderninho. Logo depois, faço Reiki (desde o ano passado quando se formou) e alinho os chakras. Acaba por volta das 9h e, então, vou tomar café da manhã. Como uma fruta, um mamão ou banana, e vou me preparando para a reunião ou momento de estudo.

10h Junto com Mariah de Moraes, uma amiga e terapeuta energética, que estuda autoconhecimento há uns 10 anos, sou apresentadora e colaboradora do coletivo Se Eleve. Durante duas horas, a gente fica debatendo ou compilando um assunto que queira transformar em conteúdo ou definindo um cronograma (de postagens). No meio da reunião, como um carboidrato mais complexo, pão ou tapioca. Desde o meu período sabático, em 2019, fui, naturalmente, entrando em uma jornada de autoconhecimento – ferramenta mais potente na hora de você cuidar da sua saúde mental. Estudar me faz compreender que o que aprendo sobre mim e me ajuda muito a entender como agir em relação à cada coisa, em todas as esferas da minha vida. Fui tendo tempo livre e lendo conteúdos na internet. Quando vi, já estava estudando hermetismo, access consciousness (processo terapêutico) e outras informações.

Fernanda Souza – Foto: Vinícius Mochizuki

12h Faz um ano que estou com um personal de São Paulo e treino online. Durante o período da pandemia, eu treinava na varanda de casa com uns pesinhos e caneleira, mas, hoje, faço musculação três vezes por semana na academia e, dependendo da minha animação, 20 minutos de aeróbio. Volto para casa e almoço umas 14h. No cardápio, sempre tem proteína acompanhada de salada, legumes e arroz integral – nada demais. Às vezes eu peço e também tenho uma pessoa que cozinha para mim pontualmente. Não sou muito da cozinha, é complicado, sou mais da limpeza (risos). Mas meu ovo mexido é muito bom, igual ao de hotel, aprendi no YouTube.

15h Na parte da tarde, tenho mais uma reunião ou tiro para estudar. Trabalhei durante muito tempo para conquistar o que precisava, o que queria dar à minha família… Chegou determinado momento em que quis trabalhar em mim. Quando senti que já estava mais à vontade para voltar para o entretenimento, aceitei a proposta da Netflix para apresentar o “Iron Chef Brasil” (ainda sem data de estreia). É um reality de alta gastronomia com uma chef como co-apresentadora, focada na parte técnica. Estava com saudades, foi um projeto que me apaixonei pela proposta toda. A gente está muito acostumado àquela disputa agressiva ou muito ferrenha. A nossa é saudável, leve e gostosa. Comi muito! Um dos motivos que me fez participar é que poderia provar todos os pratos (gargalha).

17h Belisco alguma coisa, como uma fruta. Nunca fico mais do que duas horas e meia estudando porque chega um momento em que minha mente não assimila muito. Faço uma pausa para assistir ao pôr do sol porque amo e, da minha varanda, tem um bem lindo. Dependendo do dia, se estou sentindo necessidade de me conectar com a natureza, ou eu vou ao Jardim Botânico ou à praia. Comprei um caiaque durante a pandemia e, de vez em quando, sigo para a Lagoa de Marapendi, na Barra da Tijuca, e fico lá observando os pássaros por meia hora.

19h Volto para casa, assisto alguma coisa mais leve na televisão para dar aquela desligada ou ler um livro. À noite, o jantar é parecido com o almoço, só diminuo um pouco do carboidrato. 21h30 Dou uma alongada por conta do treino de musculação porque relaxa. 22h Já estou mais tranquilinha e durmo.

Quando meu dia seguinte está menos cheio, vou dormir na casa da Duda (Eduarda Porto, sua namorada). Foi por causa do autoconhecimento que eu entendi o quanto falar sobre esse assunto me faz bem, iluminou completamente a minha relação com a minha família, e até me ajudou a acolher a descoberta de um novo amor. O tempo investido em olhar pra dentro traz transformações amorosas e potentes. Quando você se conhece e se ama, você banca quem você é.