Flavia Steinberg – Foto: Divulgação/Marilia Apolonio

Por Carolina Andraus

Imagine-se recebendo um abraço carinhoso na forma de um bolo, decorado delicadamente com flores do jardim, em uma caixa que poderia ter vindo de algum ateliê de alta-costura, com um laço em fita de algodão. Esse é o propósito do trabalho de Flavia Steinberg, proporcionar um momento de pausa, um carinho à distância, em especial durante o último ano, em que estivemos tão distantes de muitas pessoas que amamos.

Quando conheci Flavia, já imaginava que seria uma mulher especial, mas não tinha a dimensão da delicadeza e sensibilidade que ela dedica a tudo o que faz. Os bolos são todos inspirados em receitas de família, garimpados com suas avós e por memorias de uma infância sempre perfumada com gostosuras. Flavia sempre amou participar, na cozinha, de preparo das sobremesas, uma paixão que trouxe da infância.

Conhecer sua cozinha é como estar em um mundo quase mágico, onde cada detalhe foi lindamente pensado. A maior parte da cozinha é aberta para um jardim cheio de folhagens bem tropicais, na parte principal do lar de Flavia, e nos transporta para um outro lugar e tempo. Parece uma viagem a uma dimensão modernista dos anos 60, com uma curadoria de objetos de cozinha vintage garimpados em viagens pelo mundo, em um espaço com uma áurea muito família e muito feminina.

Flavia, que estudou engenharia de alimentos na Universidade Mauá e mudou para o curso de administração na ESPM, trabalhou alguns anos no marketing da Bauducco, passou pelo mercado de moda até que, quando teve seus dois filhos, decidiu parar de trabalhar por algum tempo e se dedicar em tempo integral ao projeto maternidade. Com o passar dos anos, sentiu a vontade de voltar a criar, e decidiu se inscrever em um curso de formação em gastronomia na Academia Gastronômica, seguido de outros cursos de confeitaria, para se aprofundar na sua grande paixão.

Um dos bolos de Flavia Steinberg – Foto: Divulgação/Marilia Apolonio

No começo, Flavia dava aulas para grupos de amigas, o que acabou sendo um desafio quando engravidou do terceiro filho, e precisou voltar a se dedicar à família. Com a pandemia, três filhos em home schooling, Flavia achou que nunca mais conseguiria retomar seu projeto. Do desabafo em uma sessão de terapia, recebeu o empurrão que faltava e percebeu que, sim, essa era a hora de começar bem devagar, com um número muito limitado de pedidos, de forma orgânica, sem business plan, simplesmente por uma vontade enorme de voltar a se sentir produtiva e poder fazer esse carinho para as pessoas próximas.

Tudo já estava organicamente decidido na cabeça de Flavia, que recomeçou quase como um hobbie, e passou a fazer seus bolos com um grande reconhecimento imediato, e conquistou uma clientela muito antenada que a considera um dos segredos mais bem guardados do momento. As flores que decoram cada bolo são delicadamente colhidas por ela, em uma horta suspensa no rooftop de sua casa no Jardim Europa, em São Paulo, de onde coordena ainda a educação dos três filhos, seu casamento, e encontrou espaço para se realizar profissionalmente.

O resultado é um reflexo da energia que Flavia coloca pessoalmente em cada bolo, que sai literalmente da cozinha da sua casa, e tem na simplicidade, no açúcar reduzido, nos ingredientes da melhor qualidade e no carinho suas maiores qualidades. Não espere grandes recheios ou coberturas, mas surpreenda-se com releituras como o cheese cake Romeu e Julieta, de goiabada e cream cheese, a torta de chocolate com pouquíssimo açúcar, ou simplesmente um delicioso bolo de fubá. Cada semana a seleção de bolos muda e podemos escolher entre os quatro ou cinco sabores.

Flavia atende a um número limitado de pedidos e não tem interesse em tornar-se grande, atendendo apenas o que pode fazer pessoalmente de sua linda cozinha ao ar livre. Esse tipo de posicionamento e de trabalho nos faz pensar nos segredinhos e memórias afetivas que encontramos em viagens pela Europa, aquele queijo que só uma pessoa faz em uma montanha Suíça, ou a torta artesanal da Provence que fica na memória de uma viagem inesquecível. Lembrando que Flavia considera receber um de seus bolos o equivalente a receber um abraço gostoso de alguém, e ter um tempo para parar, comer um pedaço de bolo, respirar, se permitir. Permita-se.

Carolina Andraus é formada pela FGV, ex-mercado financeiro, empreendedora, desenvolveu e vendeu diversas empresas no mercado imobiliário. Globetrotter e cidadã do mundo, já morou em Londres, Paris, Nova Iorque, Boston, Istambul e Frankfurt. Recentemente voltou a estudar na Harvard Business School e passou a escrever sobre mulheres inspiradoras, comportamento, e viagens.